28 May 2007

Rosa e Guerra L(oving the)-Point

"É Rosa, senhor!" Mas este não foi nenhum milagre, porque o jovem César está apostado em ganhar o circuito este ano
(photo: Cédric Grueau/Alfarroba)


S. Torpes era o destino, mas o mar não quis colaborar e a segunda etapa do Circuito Nacional Pro Junior de Surf passou o último fim-de-semana no pico que vai pelo nome de L-Point, um pouco mais a sul de Sines.
Em ondas de meio metro os jovens surfistas não podiam estar mais à-vontade. E foi César Rosa e Margarida Guerra que não deixaram fugir a oportunidade de juntar mais alguns bons pontos ao seu resultado de 2007.
Numa final masculina muito disputada, o homem a abater foi Filipe Jervis, que na última bateria estava claramente a liderar, principalmente depois de ter tirado uma boa nota de 8.00.
Porém, mais habituado à pressão das finais e muito mais táctico, César Rosa foi construindo o seu caminho, primeiro, com um 5.33 e, a poucos minutos do fim, arrancando um 6.33, exactamente o número que precisava para arrecadar a vitória.
“Estava muito confiante. Mesmo quando o Filipe fez aquela onda de 8 pontos senti-me bem, consegui fazer duas ondas médias, enquanto o Filipe só conseguiu uma boa onda, e as outras foram más,” disse Rosa, entusiasmado, acrescentando: “Quero ser campeão, eu sei que a competição este ano está difícil, mas com muito trabalho eu vou lá.” Assim é que é!
Já na final das meninas e depois da eliminação precoce de Francisca Pereira dos Santos, naquela que foi uma das grandes surpresas do dia, quem acabou por levar a melhor foi Margarida Guerra, que agora assume a liderança do ranking nacional.
“Já estava farta de não ganhar! Acima de tudo sabe muito bem ficar em primeiro lugar,” disse Margarida, para quem o último heat “correu bem, quer dizer... até comecei mal, escorreguei na primeira onda, mas depois descobri uma onda que abriu bem e consegui uma pontuação de 6 pontos. A partir daí foi segurar a vantagem.”
Depois de Sines, os miúdos seguem agora para Sintra, para a terceira etapa do circuito que se realizará a 21 e 22 de Julho.

27 May 2007

Galinha ao rebolão

Farta de surf problemático e chuva de molhar até à última camada de penas, a galinha pegou na gordura e rumou para sul, onde o calor é uma garantia e as ondas tendencialmente mais mellow e fun.
Mas eis que nem todos os galináceos têm sorte e durante uma semana as patas gelaram e os espumaços foram os fiéis companheiros de viagem. Da Arrifana ao Amado as forças parecem não chegar, até para as mais destemidas das galinhas, para conseguir atingir o poleiro e sair a surfar nas melhores ondas. Quem diz que o mar a sul tem menos força… puro engano!

22 May 2007

Tiago não ‘saca’ desta vez

Justin não deixa escapar São Torpes
(photo: Alfarroba/Ricardo Bravo)



Justin Mujica e Francisca Pereira dos Santos foram os vencedores de mais uma prova do Campeonato Nacional de Surf Buondi 2007.
O Kustom Pro, que decorreu no passado fim-de-semana em São Torpes, foi uma caixinha de surpresas, não tanto na competição feminina - pois a Xica soma e segue -, mas sim na parte masculina, uma vez que em competição estava também a estrela do surf nacional Tiago Pires.
Tido naturalmente como um dos favoritos, «Saca» defrontou um muito inspirado Paulo «do Bairro» Rodrigues numa das meias-finais e sorte não esteve do lado do actual líder do ranking do circuito WQS. Para além de Paulo do Bairro ter dominado todo o heat, Tiago nem contou com a ajuda da Mãe Natureza uma vez que deixou de haver ondas durante dez minutos daquela meia-final.
Porém, apesar da sorte ter estado do lado do Paulo do Bairro, a mesma não resistiu a um fantástico Justin Mujica, que, apesar de acusar algum cansaço, arrancou desde o inicio com um 8.33.
”Estou muito cansado, pois comecei esta etapa na primeira fase,” comentou o vencedor. “Mas consegui cumprir o meu objectivo aqui, que era vencer. Fico feliz com esta vitória, que me dá bastante confiança após uma lesão e uma recuperação demorada e agora vou tentar participar em mais etapas, desde que não coincidam com as do circuito mundial,” concluiu o campeão.
Também Paulo do Bairro, que agora lidera a tabela nacional, faz um balanço positivo desta prova: “Na final fiz uma aposta errada nas ondas e acabei por passar demasiado tempo à espera das melhores. Mas na meia-final, apesar de saber que o Tiago era favorito, acho que consegui provar que não há impossíveis. Quanto à liderança do ranking, não estou muito preocupado com isso, pois a minha vida já não passa por esses objectivos, embora fique feliz com o facto, como é lógico,” confessou o surfista da Ericeira, que na próxima etapa defende o título da prova.
No que diz respeito às meninas, nada de novo. Francisca Pereira dos Santos está destacadíssima na competição deste ano e, à excepção do não apuramento para a final de Joana Rocha, os nomes repetiram-se no pódio: Xica, em 1º, Joana Andrade, em 2º, Margarida Guerra, em 3º, e em 4º a veteraníssima Patrícia Lopes.
“Ao contrário do que possa ter parecido, estava muito nervosa no início do heat, mas encontrei uma boa onda, que abriu bem, e fiz o resultado necessário,” disse Francisca, entusiasmada com a sua vitória. Sobre o aparecimento da nova geração de surfistas nas finais do campeonato nacional, Francisca foi peremptória. “Temos na cabeça que precisamos de ir para a frente, mudar o estado das coisas, levar o surf feminino para outro nível. Nas meias-finais éramos cinco surfistas mais novas, o que é muito bom.” E esse é que é o espírito!





As sucessivas vitórias de Francisca têm-lhe dado muita confiança.
(photo: Alfarroba/Ricardo Bravo)

18 May 2007

Damien Hobgood vinga Teahupoo

Quem o visse no 1º round não diria que iria vencer Teahupoo. Damien a sentir as águas movediças do Tahiti
(photo: karen/covered images)

Na véspera do último dia do Billabong Pro Tahiti, que teve como pano de fundo a mítica e temida onda Teahupoo, as apostas eram feitas: muitos apostavam no Andy, muitos outros tinham o Fanning em mente… mas quem ganhou foi aquele por quem poucos paravam a respiração: Damien Hobgood.
Aqueles que puseram fé em Fanning estiveram mais perto, uma vez que foi contra o australiano que Hobgood viu-se às avessas para conquistar a vitória.
De facto, a final foi disputada taco-a-taco, tendo Damien acabado com 16.60, contra os 16.20 de Mick.
Na onda em que se tinha lesionado em 2005, o americano não podia estar mais feliz com aquela conquista: “Isto é uma loucura! Estou simplesmente doido com o facto de ter tido outra hipótese neste local”, disse o surfista. “Eu acredito que as coisas acontecem por um motivo e tinha dado aqui o meu melhor em 2005. Por inúmeras vezes repeti na minha mente a imagem daquela onda, sempre pensando ‘Devia ter tentado continuar dentro do tubo e não ter saído pela porta do cavalo’, mas sinto que agora, finalmente, posso ultrapassar isso”.
(Damien's on)
A um minuto do fim do heat e a precisar de um 8.21, Damien Hobgood apanhou uma onda do set e conseguiu 8.60, e nem uma última tentativa de Mick Fanning conseguiu destruir o sonho.
“Embora faltasse apenas um minuto para o fim, continuei a segurar-me e a pensar que ainda podia conseguir”, conta o surfista, acrescentando: “Foi por pouco que consegui esta vitória, porque o Mick mostrou estar em grande forma”.
Quanto a Fanning, apesar de ter dominado a maior parte do tempo da final, não deixou de reconhecer mérito ao norte-americano.
“Não há nada a fazer. Por um lado, podemos rezar para que ele caia, mas, por outro, temos sempre vontade de ver alguém a conseguir um bom tubo. É tudo bom na mesma. Eu ganhei-lhe no ano passado no Brasil, por isso ele apanhou-me desta vez”, diz Mick.
(Mick´s on)
Realmente, Fanning não tem nada para estar triste, uma vez que esta segunda posição no Tahiti valeu-lhe a liderança absoluta do ranking ASP, uma liderança que até agora vinha a dividir com Taj Burrow, que passa agora para segundo na tabela. Ainda, é também Mick Fanning que ficou com o mérito de ter conseguido a única nota 10 este ano em Teahupoo, na semi-final contra Kai Otton, surfista australiano que também tem vindo a destacar-se neste seu primeiro ano no WCT, estando já na 10ª posição.
Com a próxima paragem do Dream Tour agendada de 20 de Junho a 1 de Julho, é assim que está o ranking mundial:

1. Mick Fanning 3108 points
2. Taj Burrow 2676 points
3. Damien Hogood 2342 points
4. Joel Parkinson 2340 points
5. Bede Durbidge 2232 points
6. Kelly Slater 2208 points
7. Andy Irons 1989 points
8. Michael Campbell 1932 points
9. Jeremy Flores 1742 points
10. Kai Otton 1701 points

Capoeira de cucos

Segui pela estrada que vai dar à Caparica na semana passada, a qual terminou na praia do Paraíso, aka Bento, aka Pontão... mas porque milho é que dão mais do que um nome à mesma praia??? Será para enganar? Mas enganar, quem????
Quando lá cheguei pareciam mil galinhas a uma ração! Inacreditável! Não podem estar umas ondinhas a mais que o carmo e a trindade caem na Caparica. Armam-se em galos, mas quando o set cresce piam de fininho, como pintos.
Porém, os verdadeiros galos armam-se em cucos!
Nem queria acreditar no mau ambiente da Caparica. «Oi!» para cá, «Oi!» para lá, «Oi!» por todo o lado! Caras de mauzões a vir do inside a ralharem em voz alta (não se sabe bem com quem) porque alguém remou para a onda e não entrou... entrou ele, fez a onda, e nem deve ter curtido nada dela, porque já devia de estar a pensar naquilo que ia dizer quando remasse de volta ao pico.
Como boa galinha que sou, nem piei, fiquei na minha... e fiz as minhas ondas! Enquanto os galos/cucos perdiam tempo às bicadas uns com os outros, aqui a galinha (que tem cérebro, ao contrário do que pensam) só piava de contentamento sempre que apanhava uma boa ondinha.
Fica aqui a moral: quem muito pia, pouco surfa!!!!!

04 May 2007

Teahupoo está prestes a começar!


Bruce Irons a ver a vidinha a andar para trás!
(Photo: Covered Images/Karen Wilson)
É uma das provas do Dream Tour mais ansiada do ano. Para os atletas que têm oportunidade de surfar uma das melhores ondas do mundo, e para o público e fãs de todo o mundo que, apesar de poderem estar no local, têm a chance de ver (pela Internet) os melhores surfistas do mundo em condições quase sempre in extremis!
Assim, o Billabong Pro Teahupoo entrou hoje no seu período de espera, mas as previsões para um swell muito sólido poderão fazer com que os atletas entrem para dentro de água mais cedo do que pensam.
"Para o primeiro dia do Teahupoo estamos a dizer a todos que vamos fazer os possíveis para arrancar logo com os primeiros heats", conta o australiano Luke Egan, actual director de prova. “A Surfline está a indicar que o swell subirá, o que poderá ser suficiente para começarmos".
Com Mick Fanning e Taj Burrow a liderarem o actual ranking do WCT, Bobby Martinez, Andy Irons, Kelly Slater, Cory Lopez e Mark Occhilupo não pretendem deixar passar esta hipótese de darem um empurrão às suas classificações, já que sempre se deram bem naquela que é considerada uma das ondas mais pesadas do mundo!
Para já, fica aqui a composição do 1º round:
Heat 1: Bobby Martinez (USA), Josh Kerr (AUS), Shaun Cansdell (AUS)
Heat 2: Bruce Irons (HAW), Chris Ward (USA), Trent Munro (AUS)
Heat 3: Damien Hobgood (USA), Adriano de Souza (BRA), Victor Ribas (BRA)
Heat 4: Tom Whitaker (AUS), Royden Bryson (ZAF), Troy Brooks (AUS)
Heat 5: Bede Durbidge (AUS), Leonardo Neves (BRA), Neco Padaratz (BRA)
Heat 6: Joel Parkinson (AUS), Greg Emslie (ZAF), Gabe Kling (USA)
Heat 7: Andy Irons (HAW), Frederick Patacchia (HAW), Luke Munro (AUS)
Heat 8: Kelly Slater (USA), Phillip Macdonald (AUS), Manoa Drollet (PYF)
Heat 9: Mick Fanning (AUS), Raoni Monteiro (BRA), Anthony Walsh (AUS)
Heat 10: Taj Burrow (AUS), Jeremy Flores (FRA), Hira Teriinatoofa (PYF)
Heat 11: Daniel Wills (AUS), Cory Lopez (USA), Rodrigo Dornelles (BRA)
Heat 12: Michael Campbell (AUS), Pancho Sullivan (HAW), Bernardo Miranda (BRA)
Heat 13: Ben Dunn (AUS), Ricky Basnett (ZAF), Dayyan Neve (AUS)
Heat 14: Travis Logie (ZAF), CJ Hobgood (USA), Adrian Buchan (AUS)
Heat 15: Taylor Knox (USA), Kai Otton (AUS), Mark Occhilupo (AUS)
Heat 16: Dean Morrison (AUS), Michael Lowe (AUS), Luke Stedman (AUS)

ISA traz selecções à Caparica


Começam a chegar hoje à Costa da Caparica as 31 selecções que participarão no ISA World Junior Surfing Championships, a decorrer na Praia da Mata até ao próximo dia 13.

Durante a próxima semana perto de 400 jovens atletas vão dar o tudo por tudo naquela que é uma das provas mais importantes do mundo para os surfistas da categoria junior. E muitos foram os países a responderem à chamada: Nova Zelândia, Japão, França, Estados Unidos da América, Porto Rico, México, Jamaica, Suíça, Brasil, Chile, Canadá, Barbados, África do Sul, Irlanda, Havai, Venezuela, Austrália, Inglaterra, Itália, Guatemala, Espanha, Israel, Peru, Alemanha, Costa Rica, Somália, Marrocos, Equador, Argentina, Tahiti e, claro, Portugal.

Entre alguns dos nomes sonantes, especial atenção para o havaiano Tonino Benson e para a francesa Pauline Ado, que, de resto, já mostrou bem o que vale no Billabong Pro Junior do ano passado, em Ribeira d'Ilhas.

Mas não só o surf e o sol são motivos de sobra para ir à Caparica durante estes próximos dias. A organização preparou ainda uma série de actividades paralelas ao campeonato: aulas de surf e de yoga, demonstrações de skate e baptismos de mergulho. E muita música, com concerto de reggae e espaço de música electónica.

Para amanhã, bem à semelhança da tradição dos Jogos Olímpicos, está marcado para as 11h um desfile de todas as selecções, devendo os atletas partir do Tribunal de Almada e caminhar até à Praça da Liberdade.

A competição arranca em força no domingo.

01 May 2007

Exclusivo: Yassine Ramdaini na primeira pessoa

Yassine Ramdaini, actual 397 ranking WQS, está em Portugal para participar no ISA World Junior Championship. Para se preparar para o campeonato que arranca esta sexta-feira, na Costa da Caparica, o surfista marroquino não resistiu ao desafio e participou no último fim-de-semana no Moskito Tour, onde terminou na segunda posição. No meio da Praia do Castelo a GALINHA não resistiu ao sorriso do puto de 17 anos e foi saber um bocadinho mais sobre este jovem surfista, os seus sonhos e aspirações.

Como é que começaste a fazer surf?
Quando era novo costumava ir passar férias com a minha avô e ela vivia perto da praia. Lá conheci alguns amigos que faziam surf e eu gostei muito do desporto e comecei a praticar.

Foi difícil começar a surfar em Marrocos?
Sim, foi um bocadinho difícil ao princípio, mas com o tempo consegui. Acho que se gostamos muito de uma coisa é só uma questão de ser persistente.

Como foi começar a competir, principalmente em circuitos internacionais?
É muito difícil porque temos muitos bons surfistas e tento sempre dar o meu melhor nos campeonatos.

Principal objectivo?
Chegar um dia ao WCT. Esse é o meu sonho.

Como tem sido os teus apoios?
Tenho recebido muito apoio dos meus patrocinadores da Europa. A Oakley, a Riderstore, a Globe, todos têm sido muito bons para mim.

Quem é o teu surfista preferido?
Taylor Knox!

Porquê?
É o verdadeiro “power surfer”, tem muito estilo… gosto muito do seu surf!

E o teu surf spot de sonho?
Pipeline! É também um sonho meu surfar lá, e talvez realize esse sonho no final deste ano.

E Portugal? O que pensas do nosso país?
Desde que venho cá que sinto-me como se estivesse em casa. Tenho cá muitos amigos e gosto muito de cá estar.