26 June 2007

Kelly comenta Saca

No seu mais recente formato de speaker, muitos dos competidores do WCT são chamados nos intervalos dos seus heats a virem até à torre comentar a bateria que naquele determinado momento está dentro de água.
Foi no heat de ontem entre Taj Burrow e Bruno Santos que Kelly Slater foi chamado a locutar a prova. Aproveitando a presença do campeão mundial, as mensagens choveram e houve quem não perdesse a oportunidade (provavelmente um tuga!) de lhe perguntar como via o até há pouco tempo líder do ranking WQS: Tiago Pires.
Como era de esperar, Slater não poupou nos elogios e chamou inclusivamente a atenção para um video que está na Surfline com o campeão português a surfar... na Cave, Coxos e Tow In na Peralta!
Fica AQUI a sugestão, e o sonho de um dia ver um heat poderoso entre o Kelly e o Saca!

25 June 2007

Arica de morte!


Já a apelidaram de "Pipeline Chileno"... e com toda a razão! Uma das provas mais aguardadas do ano competitivo internacional é o Rip Curl Search, uma prova do WCT que todos os anos muda para os locais mais desconhecidos do planeta. Em 2006, o México fez as delícias dos competidores e de todos os fãs que acompanharam a prova, por toda a sua perfeição e consistência... em 2007, Arica, no Chile, tem deixado todos com o coração na boca! É que, tirando as clássicas do North Shore e de Teahupoo, ou Cloudbreak agressivo, esta onda é uma das mais animais, brutais ondas onde se tem visto realizar uma competição.
Desde que a etapa começou mais de 20 pranchas foram partidas (pelo menos 7 durante heats), começámos a ver os melhores do mundo a entrarem para dentro de água de botinhas, luvas e até capacete, e já houve, inclusivamente, algumas baixas, como foi o caso de Adriano «Mineirinho» de Sousa, que abriu a cabeça e teve que levar 15 pontos (10 internos e 5 externos!!!)
A competição, essa, continua com algumas surpresas agradáveis, como é o caso do Kai Otton, que está em grande forma, e do brasileiro wildcard Bruno Santos.
Siga a competição AQUI!

Just a Thought...

Iniciando uma série de novíssimos videos sobre surf, produções daqui do Galinheiro, começo por sugerir uma pequena viagem de um minuto a Marques Neves. Para ver, clica AQUI! Esperam-se comentários!

22 June 2007

Sugar & Spice... N' Everything Nice!


Nem 8 nem 80, é o que sempre esperei. Mas ao subir para cima do poleiro, eis que a alma desta velha galinha gorda se ilumina. A capoeira portuguesa tem muitos galos, mas nenhum outro é mais rei que o «Saca». Dizia-me no outro dia um desses outros galos - que muitas vezes não são mais do que frangotes com cristas em pé -, que o «Saca» não é propriamente um jogador de futebol... Fiquei a pensar nisso... que queria ele dizer?... Não, não ganha como um jogador de futebol... não, não reúne os milhões de fãs de um Figo ou de um Ronaldo... não, não enche estádios, nem pára o país em frente à televisão... Mas é por isso que não merece o mesmo mérito??? Esta galinha, do topo de toda a sua gordura e formosura, teima em discordar! Merece até mais!
É fácil crescer com um desporto que toda a gente conhece e que toda a gente, mais cedo ou mais tarde, experimentou nem que fosse na rua. Agora, crescer e vingar num desporto que por muitos anos foi marginalizado e que conseguiu vencer numa capoeira retrogada, aí vão outros tantos.
Ao ver o «Saca» a dar-se bem entre alguns dos maiores e melhores galos do mundo só posso é sentir orgulho. Orgulho por ser da sua capoeira, orgulho por ele estar a fazer um óptimo trabalho.
Durante anos, o jovem «Saca» ficou sempre à porta da cerca, sem nunca conseguir dar o grande salto (para quem tem asas mas não voa, nem sabe a dificuldade que é!). Mas esta temporada, o galo encheu o peito e parece que é desta. Deste lado do poleiro, tou a torcer! Bem como tantos outros galos e galinhas que acreditam que o futebol não é tudo!

04 June 2007

Ribeira d'Ilhas de gala!

Ruben estava apostado em levar a sua primeira vitória deste ano da praia de Ribeira d'Ilhas
(photo: Ricardo Bravo/Alfarroba)


Foi uma espécie de “test drive” do próximo WQS em Portugal. Todas as condições estavam reunidas: uma estrutura fora do normal, os patrocinadores bem representados, muita animação e, especialmente, boas ondas, o que fez com que o público que esteve este fim-de-semana em Ribeira d’Ilhas, na Ericeira, pudesse assistir a grandes exibições dos nossos surfistas nacionais.
Admitido pelos organizadores como uma das maiores etapas do circuito nacional de surf open, o Arnette Pro teve de tudo: ondas de metro ou dois metros, sol ou quase chuva, muitos sorrisos ou grandes tristezas.
No final, a surpresa acabou por não ser grande, pois ambos os campeões nacionais em título levaram a melhor: Ruben Gonzalez e Patrícia Lopes.
Na meia-final contra José Gregório, Ruben conseguiu a melhor pontuação total de todo o campeonato. Duas ondas excelentes, que lhe valeram um 9.80 e um 9.23, num total de 19.07. Grego ficou pelo caminho, mas não sem grande mérito, uma vez que a sua vida profissional o tem afastado das lides competitivas.
Já da segunda meia-final saiu direitinho para a final João Antunes, que eliminou Rodrigo Herédia, naquela que foi a primeira etapa deste ano que o surfista da Linha participou.
Na final, Ruben Gonzalez parecia ter começado a verdadeira prova de fogo. Depois de uma subida relevante do mar, Ruben partiu o tail da prancha logo na sua primeira onda, tendo que voltar à praia, trocar de prancha e voltar para o outside, remando contra uma corrente terrível.
Mas se esta poderia ter sido a verdadeira “morte do artista”, a sorte não estava totalmente contra o atleta, uma vez que esta janela de oportunidade não foi aproveitada por João Antunes, que naquele tempo acabou por não apanhar nenhuma onda. Depois, foi só Ruben Gonzalez apanhar mais duas ondas médias, de 6.17 e de 6.27, para selar a vitória, mesmo depois de Antunes apanhar um 7.00, ficando-lhe a faltar uma onda de 5.45.
“Comecei a competir em Fevereiro e não conseguia ganhar nada. Esta vitória é perfeita para me dar confiança para os próximos eventos. Vou para a Lourinhã com muito mais pica e garra,” disse Ruben Gonzalez, feliz com a sua vitória. Sobre o incidente com a sua prancha na final, Ruben não ficou muito surpreendido. “Uso muitas vezes esta prancha, que já estava um pouco vincada... devo tê-la vincado mais na última manobra e quando estava a fazer o bottom ela partiu-se.”
Já nas meninas, o aumento do mar pareceu ser factor decisivo para a vitória da também campeã nacional em título Patrícia Lopes. Apesar de todas as apostas na areia estarem do lado de Francisca Pereira dos Santos, depois de durante toda a etapa ter mostrado um nível muito elevado, Patrícia conseguiu fazer valer a sua experiência e levar a melhor, quebrando o jejum de vitórias deste ano. Um 8.33 e uma onda de 7 pontos, num total de 15.33 não deixaram margem para dúvidas.
“Ouro sobre azul, foi ouro sobre azul! Ganhar a etapa é bom para mim, para mostrar ao patrocinador, e bom para o patrocinador que tem um atleta seu a ganhar a sua etapa,” disse Patrícia Lopes, feliz depois da vitória na etapa. Sobre Ribeira d’Ilhas e esta etapa, a campeã nacional não poupa palavras. “Adoro esta onda, as condições estavam perfeitas para mim. Neste campeonato consegui apanhar muitas ondas, e como conheço muito bem Ribeira estive muito confortável ao longo de toda a prova.”
Francisca Pereira dos Santos ficou em segundo lugar, mas ainda assim conseguiu obter a onda mais pontuada da final, um 8.67, que aliado a um 5.58 fez um total de 14.50 - insuficientes para obter a sua terceira vitória consecutiva no campeonato, no entanto. Joana Rocha ficou no terceiro posto e Joana Andrade obteve a quarta posição.
O circuito segue no próximo fim-de-semana para a praia da Areia Branca, na Lourinhã.

Dois campeões em busca de novas vitórias
(photo: Ricardo Bravo/Alfarroba)

Aprender com o melhor


Não é segredo nenhum, até para os mais leigos, que Tiago Pires é o melhor surfista português a competir os circuitos nacionais e internacionais. Por isso, não foi de espantar que a primeira edição do TMN Saca Tour tivesse uma grande afluência de jovens aspirantes a surfistas. Afinal, aprender a surfar com o melhor não é todos os dias.
Assim, Sines foi a primeira paragem para cerca de 40 participantes, entre os 8 e os 17, que aproveitaram o último fim-de-semana de Maio para absorver e ouvir todos os conselhos de quatro grandes surfistas portugueses: o «Saca», Miguel Ximenez, João Guedes e Joana Rocha.
“Para mim este evento foi um espectáculo. Foi a primeira vez que trabalhei com miúdos desta idade, fui para a água com eles, ensinei-lhes um pouco daquilo que sei, da minha experiência, e eles acabaram por me dar mais a mim do que eu a eles,” disse Tiago, que agora já está nas Maldivas para participar em mais uma etapa do WQS.
Mas nos próximos dias 22, 23 e 24 de Junho, Tiago Pires juntasse de novo, desta vez com Vasco Ribeiro, César Rosa, Frederico Morais e Francisca Pereira dos Santos, em Espinho para a próxima aventura do seu tour.