29 December 2008

Face 2009 with a BIG SMILE! Happy New Year!

Tiago na 1ª pessoa na ASP Europe

1. Let's start with a look at the season you have been through, surfing on both ASP World Tour and ASP World Qualifying Series.
I think it's been a very positive year for me. I managed to get a few good results for my first year on tour, got through several heats at various events so I am happy with this first experience. I would have prefered to start off the season strong with a couple of good places because it would have given me a better seeding and probably a better rank in the end. I finish 2008 just outside the requalifying Top 27 guys without even surfing the Pipeline Masters because of that injury so I am definitely satisfied with that rookie season. I knew it was going to be tough doing both tours but it was my plan since Day 1 so I went for it. Lots of travel, lots of heats and a lot of pressure on the WQS events because I really needed to do well at these events.

2. How did you handle things mentally and physically? Did you have a intense training all year?
I did not really have time to train physically because of the non-stop trips all around the world so I never managed to take a break and focus on my training. The WQS events are very demanding and I put a lot of energy into it and it paid off which was a big relief. It was a great thing to finish into the Top 15 because it was a great compensation for me after all the hard work.

3. What about the major things you learnt during this busy season?
It was a year of learning for me and after all these events, I feel like I have grown up a lot in my whole competition approach. At the end of 2007 when I qualified, I was so focused and wanted to train and be as strong as possible and went to Australia too early. When you travel to the next event too early, you are already kind of burnt when things get started. I put too much pressure on myself at the beginning of the year and it was a mistake. This is something I will be working on for next year, to go to a World Tour event just as if it was a WQS one and be relaxed. I just want to do my thing and enjoy so I will start with a big break at home this winter before going to Australia end of February for the first event. 2009 will be a big change as I probably won't be doing the WQS anymore and focus on the ASP World Tour.

4. So many people expected you to rip at all the righthand pointbreaks on tour and you got your best results in solid lefthand barrels. How is that?
I think it is a problem of pressure that made it hard for at these locations. I wanted to do so well that I missed the opportunity. On top of that, I did not have perfect boards in the first half of the year at Snapper Rocks, Bell’s Beach and J-Bay and I was not confident on my equipment which made it harder when going to events. The balance of equiment, mental approach and physical skills is the perfect solution to do well at an event. And the events where I felt close to this balance were taking place in lefthand barrels so that’s the reason why I did well there. Once I had the right surfboards, I could put this aside and focus on the rest. For next year I am going to work a lot more on my boards at the start of the year and be relaxed on this aspect of my preparation.

5. What about that one heat at the Billabong Pro Tahiti against Joel Parkinson? You scored a perfect 10 and ended up losing?
It’s probably the one heat I keep thinking about most. It was a hard time for me and it’s one of the times in my life I was very angry and unhappy. I did not understand what was going on while in the water and I really thought there had been a big mistake when I was called with an interference which cost me the heat against Joel. I hadn’t understood what was going on because it a very tricky priority rule I did not know. So after talking with a couple of guys I got to understand better and I was given an interference because of a blocking situation I did not even know I was making. I learnt the hard way because to me, it is one the best heats I’ve surfed in my life and it is hard when you don’t make it because of a stupid mistake.

6. You pulled out of the Billabong Pipeline Masters on the day your heat was paddling out, can you tell us about it ? Are you going to recover fast?
I injured myself before my heat in the O’Neill World Cup of Surfing at Sunset during a warm up surf and I felt like I had something wrong at the back of my neck so I saw the doctors who told me not to push it too much. It's not a big problem and I don't suffer a lot so there is no reason to panic about it but it's the kind of things you don't want to play with, especially in such demanding conditions. The MRI did not reveal anything in particular but the doctors told me in the worse case scenario I could hurt my spine so I should rather relax because it can last between two and six weeks. I wanted to surf in the event because I had this one thing at the back of my head about Marlon Lipke (DEU) who finished No. 16 on the WQS and needed me to improve my World Tour rank so I could requalify directly which would have taken him in for next year. We are good friends and I wanted to help as much as I could but I couldn’t risk it too much in a wave like Pipeline. Unfortunately I finish the year with this injury but I am okay and I know I will on tour next year.
7. It took time for you to make it to the ASP World Tour and you know kind of know how Marlon can feel now right?
Yes for sure, it happened to me before when I finished No. 17 that one year so I know it is hard after putting so much into it and doing well on the WQS. But I still think there is a small chance he makes it in with the guys possibly retiring and the wildcards available so we’ll see. Whatever happens, it’s not a bad position to be this close because you are first in line for replacements for the following year and you can learn a lot from surfing a few Dream Tour events. Nic Muscroft (AUS) is the best example; this year, because of many injured guys on tour, he got to surf almost every event and learnt a lot from that experience before eventually making it into the Top 15 to qualify for next year’s ASP World Tour. There is definitely a positive thing in being that close and having the opportunity to surf events against the world’s best surfers.

8. Talking about your fellow European Dream Tour mates, how do you look on this amazing progression of surfers from Europe? Did you think three years ago there would be a minimum of five Europeans on tour?
I am proud to be part of this amazing moment for European surfing, and I never thought there would be that many of us on the ASP World Tour three years ago. I think European surfing has caught up with some of the world’s best nations and I think that Jeremy (Flores) and Michel (Bourez) are right up there and have an amazing level. If these guys manage to show all their potential, they have the skills to reach the top. Being part of that crew is a great feeling and we travel together and it definitely makes you stronger. If you look at the other nations, all the guys hang out together and encourage eachother which makes them stronger. What has happened in three years is unbelievable and I hope it keeps going.

9. Have you been watching the next generation coming up? Do you think there is potential to see some of the young guys follow you to the top?
I usually keep an eye on the results of the big junior events and I know a few f the guys coming up. Joan Duru (FRA) is probably one of the best upcoming surfers along with Marc Lacomare (FRA) and Charly Martin (GLP, ASP World Junior No. 3 in 2008). These young kids have a great level already and on top of that they spend a lot of time with us and whenever we can we give them all our experience. This is a big help when you are hoping to qualify because to see some of your friends up there shows you it is makable. What happened in Brazil (Jeremy Flores finished runner-up and Miky Picon equal 3rd) or in Australia (Jeremy Flores placed equal 3rd) is something the younger guys can look forward to. On the other hand, if they qualify for the Dream Tour, they will have more pressure to better us but this is sport in general and competition. I feel like a big brother for all the new generation and I hope I can help them, give them all experience I can.

10. What is your plan for 2009? How comfortable do you feel amongst the best surfers in the world?
Eventhough I am glad to see the next generation coming up, I am focused on my thing and so motivated on making it to the top. There is a lot of things coming up and after such a hard year on both tours, I want to have a different approach. Next year I am going to do like Miky did in 2008, focus on the Dream Tour and keep all my energy for these ten events. Talking on good I feel on tour, I must say we are having a great time and there is a lot of respect between each of us on tour. Europe is a melting pot of so many cultures and I feel like the rest of the guys are always interested and happy when they are going there. Coming from the Old Continent and being a rising nation on tour is a great thing. There is a lot of respect and friendship with the rest of the surfers.

13 December 2008

Kelly does it again!

Kelly Slater acabou de fechar com chave de ouro 2009. Depois de ter arrecadado o seu 9ª título mundial, na etapa de Mundaka, Slater entrou no Pipeline Masters para, pela sexta vez na história do evento, vencer como só Kelly podia fazer.

Slater chegou à final com Chris Ward, num heat onde as ondas não abriam muito. Porém, Kelly fez a sua magia e alcançou a vitória com um score total de 14 pontos. Bastou fazer duas ondas boas para não dar hipótese ao seu conterrâneo.

Recebendo o prémio pelas mãos do lendário Gerry Lopez, Kelly não poderia estar mais satisfeito com o resultado da última etapa do Tour deste ano: "Vim da Micronésia horas antes do campeonato começar, com poucas horas de descanso, mas consegui ir avançando na competição".

Apesar de ter entrado com uma prancha que muitos consideravam pequena para Pipe, Kelly não quis deixar de seguir o seu feeling, que acabou por dar resultado.

"O Chris é inacrediável. Nunca tive quaisquer dúvidas. Ele é um dos melhores surfistas em tubos do mundo", não deixou de dizer sobre o seu rival na final.

Sem querer avançar muito no que tem planeado para o futuro, Kelly limitou-se a dizer: "neste momento, estou apenas a divertir-me!"

Para Chris Ward, "a final foi como uma sessão de free surf... mas apenas com alguns benefícios a mais!"

Quem também não esqueceu esta vitória foi Joel Parkinson que, depois de Ward não conseguir vencer Kelly, ganhou o Triple Crowd Of Surfing (um prémio atribuído ao surfista que tirou os melhores resultados durante as três últimas provas do ano - 2 WQS e 1 WCT - no Hawaii).

"O Andy já me tinha roubado esta oportunidade por duas vez... mas hoje foi a minha vez!", contou no final Parko.

O Dream Tour fecha agora para balanço, com calendário já estabelecido para 2009. Aloha!

11 December 2008

É o verdadeiro artista...


Com uma fotografia destas... palavras para quê?!
(photo: ASP/Covered Images)

Goste-se ou não (desde uma certa etapa, num certo heat com o Saca, que o Parko deixou de estar entre os surfistas predilectos dos portugueses), a verdade é que Joel Parkinson conseguiu o máximo que se pode conseguir numa bateria… e logo em Pipe: um score total de 20 pontos (em 20 possíveis).

No heat contra o havaiano Dusty Paine tirou dois 10 perfeitos, conseguindo um feito que apenas Kelly Slater havia alcançado em 2005.

“Nunca pensei vir a consegui-lo. Não é nada que uma pessoa oiça falar todos os dias. Senti-me como se tivesse ganho todo o evento, mas depois tive que me acalmar e cair em mim de que apenas tinha ganho um heat”, conta o surfista.

O chapéu está tirado…

Saca lesionado para o Pipe


Saca teve um final de ano triste
(photo: ASP/Covered Images)
Tiago Pires retirou-se do Pipeline Masters depois de uma lesão no pescoço que sofreu durante uma sessão de free surf em Backdoor (onda que parte para a direita a partir de Pipe).

O surfista português foi logo alvo de exames médicos, tendo lhe sido recomendado que não avançasse com a sua participação na última etapa do circuito mundial.

“Não é uma situação de grande gravidade, por isso não é nada para entrar em pânico. Porém, é melhor não brincar com este tipo de coisas, especialmente estando condições bastante exigentes. O exame que fiz não mostrou nada de relevante, mas os médicos disseram-me que no pior dos cenários poderia causar alguma lesão na coluna”.

Embora Saca já não se tenha que preocupar com a sua permanência no WCT de 2009, o português sabia que da sua participação na prova havaiana estava dependente a qualificação de Marlon Lipke.

“Queria muito surfar neste evento. Tinha sempre na minha consciência que o Marlon tinha terminado em 16º no ranking WQS e que precisava de mim para entrar no Tour do próximo ano. Somos bons amigos e eu gostava muito de o ter ajudado. Ele enviou-me uma mensagem muito simpática, por isso sei que está tranquilo com toda a situação”, disse ainda Tiago.

Amanhã, a ASP Europe irá publicar uma entrevista com o surfista português, que reproduziremos na íntegra aqui.

08 December 2008

Senhoras e senhores... o maior espectáculo do mundo!

Pipeline... e agora?


Chegámos ao final do ano e a umas das mais aguardadas e talvez a mais mítica etapa do todo o circuito mundial: o Pipe Masters.
Embora o título já esteja nas mãos do Kelly Slater, algumas coisas ainda continuam em aberto, principalmente para os portugueses... ou quase portugueses.
Vamos a contas: Tiago Pires, de uma forma ou outra, já está garantido no Tour do próximo ano.
Mas nas suas mãos parece estar a entrada de Marlon Lipke, o alemão mais português que conhecemos.
Marlon tem feito uma prestação brilhante no WQS, mas precisa do resultado de Saca para entre na elite do surf mundial. Isto porque se o Saca se der relativamente bem no Pipe Master, a sua posição no ranking poderá levar á sua apuração automática para o próximo ano.
Contudo, se o Saca não conseguir um bom resultado terá que recorrer à vaga do WQS (para a qual está bem posicionado), deixando aí pouco espaço para o Marlon conseguir qualificar-se.
Como portugueses estamos com o Saca, mas seria bom, não só para o público mas também para o próprio Saca, ter mais um português... ou, neste caso, luso-germânico, a fazer o Dream Tour.
Tudo ficará decidido nesta próxima semana!

CJ imparável

Uma vitória suada para um goofy-footer muito destemido
(photo: ASP/Covered Images)



Foram nervos até ao final naquela que foi uma das mais históricas etapas do Triple Crown em Sunset Beach, no Hawaii.

Depois de dias de competição onde o mar mostrou toda a sua força e onde os surfistas chegaram mesmo a recear a sua integridade física, a final em Sunset não podia ter sido mais recheada de bons surfistas: Jordy Smith, Tom Whitaker, o havaiano Marcus Hickman e CJ Hobgood, tendo sido este último a vencer a prova.

CJ mostrou muita confiança em todas as ondas a que se fez, as quais trabalhou com um surf muito sólido e, ao mesmo tempo, com muito power, tendo conseguido alcançar um score total de 15 pontos (num máximo de 20 possíveis).

Facto é que o mar variava com ondas entre os 7 e os 10 metros, não dando trégua a nível e segurando o público em ansiedade na praia e nos ecrãs de computador por todo o mundo.

O havaiano Hickman foi mestre das águas, mostrando ser bom conhecedor das suas ondas de casa, enquanto Whitaker também fazia o surf possível com aquelas condições.

Quem ficou muito aquém das suas potencialidades foi Jordy Smith que gozou de azar desde o início do heat. Primeiro não se conseguindo encontrar com o mar e, depois, sendo atinguindo por um set vassoura que lhe partiu a prancha e o obrigou a nadar grande distância até chegar ao canal onde se encontrava o seu caddy e uma prancha extra.

"Estava um tamanho perfeito e o mar estava bastante clean", contou Hobgood após a final: "Houve provavelmente um ou dois sets que eram enormes. Isto mostra-nos apenas de tudo o que Sunset é capaz de ser. Apenas lançamos os dados, vamos lá para fora e por vezes a Mãe Natureza é boa para nós e outras atira-nos para baixo. Estavamos quatro homens lá fora, mas nem sempre nos conseguiamos ver. É apenas Homem vs Nature lá fora e é isso que torna Sunset um desafio".

Os melhores surfistas do mundo preparam-se agora para fechar o ano competitivo com chave de ouro: o Pipeline Masters.

Giant Sunset: That's What's All About!

05 December 2008

Stephanie x 2

Stephanie tem agora dois motivos para estar Happy! (photo: ASP/Covered Images)
A australiana Stephanie Gilmore venceu a penúltima etapa do circuito mundial feminino de surf, tendo alcançado com esta vitória o seu segundo título mundial.
Happy Gilmore era toda ela sorrisos quando saiu da água após um último heat contra Silvana Lima, Jessi Miley-Dyer e Nicola Aberton.
Após a perda por parte de Sofia Mulanovich, Stephanie tinha apenas pelo caminho uma muito focada Silvana que, caso vencesse a prova em Sunser, remeteria a discussão pelo título para a última etapa em Maui, também entrando na corrida.
A pequena brasileira deu o tudo por tudo, tornando a vida difícil para a australiano, mas o surf muito forte e, ao mesmo tempo, muito suave, mostrado por Stephanie catapultaram as suas pontuações e permitiram que repetisse o feito de 2007.
"Eu sabia que teria que vencer a final para alcançar o título em Sunset e quando a Silvana começou com resultados muito sólidos eu pensei que tudo ficaria para dicidir em Maui!, contou a australiana. "Já tinha uma boa pontuação, mas ainda estava a precisar de uma nota superior a 6 e não estavam a aparecer boas ondas. Foi quando começei a ver uma pequena ondulação no outside e começei a avaliar que aquela haveria de ser boa. Acabou por ser a minha melhor onda do heat, colocando-me na liderança".
"Quando acordei hoje nunca pensei que poderia fechar o título, É um sentimento inacreditável!", disse ainda.

21 November 2008

Furacão Moore

Carrisa mostrou a garra de uma verdadeira campeã
(photo: ASP/COVERED IMAGES)

Carissa Moore tornou-se na mais nova vencedora do Vans Triple Crown of Surfing ao ficar em primeiro lugar na etapa feminina do Reef Hawaiian Pro 2008.

Com apenas 16 anos, oriunda de Honolulu, Carissa é um dos fenómenos do surf feminino mundial e Haleiwa acolheu-a de braços abertos.

Vinda dos trials com a atribuição de um wildcard, a havaiana passou com distinção todos os rounds desta prova e acabou por defrontar a ex-campeã mundial Layne Beachley (2º) e mais duas surfistas muito jovens, a australiana Laura Enever (3º) e a surfista local, também de 17 anos, Coco Ho (4º).

"Um dos meus sonhos sempre foi um dia conseguir vencer em Haleiwa", contou Moore no final da etapa: "Estava apenas a rezar que a Layne não conseguisse apanhar nenhuma onda boa. Fiquei muito feliz pela Coco, já no final do heat, conseguir apanhar uma onda boa, ao invés da Layne. Fiquei muito contente porque ela é uma das minhas melhores amigas".

"Foi uma honra ter feito um heat com estas surfistas", quis sublinhar a jovem surfista.

18 November 2008

Ruben de fora mas com boa prestação

Jordy Smith está imparável no Hawaii, tendo já alcançado o melhor score até agora do Reef Hawaiian Pro2008
(photo: ASP CESTARI @ COVEREDIMAGES)

Ruben Gonzalez chegou até ao round 3 do Reef Hawaiian Pro 2008, a primeira prova do Triple Crown of Surfing.

O português não conseguiu resistir a um ataque muito forte por parte do brasileiro Yuri Sodre e do havaiano Charlie Carroll, que avançaram para o round seguinte.

Porém, Ruben deixou uma marca muito favorável nesta prova do WQS, tendo mostrado muita força e muito surf nas duas baterias dos primeiros dois round.

Quem ainda está na calha para entrar para dentro de água é Marlon Lipke, o luso-germanico molhar-se no round 4, contra Yuri Sodre, o americano Taylor Knox e o havaiano Dustin Cuizon.

Lembre-se que Marlon já está apurado para o WCT 2009 e que esta recta final do circuito de qualificação pode bem ser um walk in the park.

Surfistas juniores dão cartas em Haleiwa

14 November 2008

A primeira ponta da coroa

Já arrancou a primeira prova da Triple Crown of Surfing, a rainha-mãe de todas as provas do World Championship Tour (WCT).
Na recta final do ano competitivo o Triple Crown torna-se no tudo ou nada para muitos competidores. Isto, apesar, deste ano o rei já ter sido coroado.

As atenções do mundo estão no Hawaii, com estas três provas a congregarem os melhores do WCT e os melhores do WQS (World Qualifying Series).

Para já, os surfistas já entraram para dentro de água na primeira prova de qualificação deste triplo evento: o Reef Hawaiian Pro 2008, a decorrer em Haleiwa.

Tiago Pires saltou esta prova, mas Ruben Gonzalez e Marlon Lipke (português, mas a correr pela Alemanha) estão em jogo.

Ruben já somou uma boa exibição tendo passado em primeiro (com uma pontuação de 13.64) o heat 11 do primeiro round. Na calha está agora para o heat 11 do round de 128, onde disputará a passagem com dois havaianos, Dustin Cuizon e Jesse Nerle-Jones, e o porco-riquenho Brian Toth.

Já Marlon só entrará no heat 12 do round de 64.

Uma prova para acompanhar aqui!

05 November 2008

And the nomimees were...

Gilmore de novo happy com o resultado no Perú
(photo: ASPCovered Images)

Stephanie Gilmore foi a vencedora da etapa do Mundial de Surf Feminino que terminou ontem na praia de Lobitos, no Perú.


Apesar da etapa ter decorrido nos primeiros dias em Mancora, a final, que reuniu Gilmore contra uma inspirada Silvana Lima, tomou lugar em Lobitos.


A australiana alcançou no último heat o melhor score do evento, 16.10, tendo consolidado a sua segunda vitória consecutiva no Perú.


"Estou muito contente! Eu adoro o Perú!As ondas são muito divertidas e toda a gente é muito apaixonada pelo surf", disse no final a surfista, que com este resultado volta à corrida pelo título.


Silvana Lima, que conseguiu um óptimo resultado para este ano, mostrou estar em grande forma e ficou muito contente com a sua exibição. "Senti que estava a surfar muito bem e que o meu equipamento estava a corresponder. Foi uma pena não conseguir vencer a final, mas estou contente com este resultado", afirmou.


A próxima paragem do circuito feminino será Sunset Beach no Hawaii.

25 September 2008

Vive le Buchan!


A vitória de Adrian teve sabor especial numa final contra Slater
(photo: ASP/Covered Images)

O australiano Adrian Buchan foi o grande vencedor do Quiksilver Pro França ao vencer o 8x campeão do mundo Kelly Slater, em Hossegor.
Foi uma meia hora difícil, mas Buchan conseguiu levar a melhor vencendo Kelly com um apertado 15.73 contra 15.16 de scores totais, naquela que foi a primeira vitória da sua carreira no Tour da ASP.
Adrian Buchan nunca antes desta etapa tinha ido mais além do que os quartos-de-final. "Nem acredito que calhei com o Kelly na final e consegui vencê-lo... estou sem palavras. Vi-o vencer cinco eventos este ano e ele tem estado simplesmente fenomenal. Ele mete a fasquia tão alta...", conta o vencedor da etapa francesa.
Os nervos foram grandes numa final em que, caso Slater vencesse, poderia ficar decidido o título deste ano. Kelly Slater ainda conseguiu apanhar uma onda a escassos segundos do toque final, porém, não foi o suficiente para dar a volta ao resultado.
"Já estava a imaginá-lo [Kelly Slater] a festejar a vitória do título, mas tentei manter-me focado naquilo que tinha que fazer: apanhar duas ondas muito boas. Com sorte o Kelly não conseguiu apanhar nenhuma boa no final," conta ainda o australiano.
Para Slater foi uma derrota dura, mas nem tudo está perdido: "Foi bom que tudo tenha ficado suspenso naquela onda no final. Ao menos tornou a final interessante! É verdade que é uma derrota difícil, mas o Ace estava mais em sintonia com o mar."
"É frustrante ter estado tão perton de vencer o título e não ter conseguido." diz o surfista que lidera o ranking mundial.
A pressão cresce então para a próxima etapa em Mundaka, Espanha. Se Kelly Slater terminar na 9ª posição, ou melhor, o título será festejado no país vizinho. Porém, se o 8x campeão mundial perder de primeira em Mundaka, na 17ª ou 33ª posição, e Mick Fanning ou Taj Burrow vencerem o evento, a corrida pelo título continuará no Brasil.
A etapa em Mundaka começa já na próxima semana.

24 September 2008

Adrian Buchan vence Quiksilver Pro France

Depois de ter vencido o Tiago Pires, no round 3, e Kelly Slater, no round 4, nada parou Adrian Buchan que venceu o Quiksilver Pro France.

Fica atento para mais desenvolvimentos desta notícia.



Buchan trava Saca e 9º título de Kelly

Depois de um round 2 fantástico, Tiago Pires, juntamente com a restante Euroforce, sucumbiram no round 3 do Quiksilver Pro France.
Tiago não conseguiu achar nenhuma onda que lhe valesse uma boa pontuação e terminou o seu heat contra Adrian Buchan com apenas 8.17 (em 20 pontos possíveis).
Quem também ficou pelo caminho remetendo para segundas núpcias um possível nono título mundial foi Kelly Slater.
Enquanto tudo indicava que Kelly poderia festejar já em França mais um título, eis que novamente Adrian Buchan aparece como um travão e leva a melhor sobre o surfista norte-americano.
A luta pelo título segue agora para Mundaka. Mas, entretanto, ainda hoje deverá ficar decidido o vencedor deste Quiksilver Pro France. Fica atento!
França poderia ter sido palco para mais um título mundial... e que palco seria!
(photo: ASP/Covered Images)

22 September 2008

Jamie O' no top dos aerials

Jamie O'Brien foi o vencedor incontestável do Surfology poll sobre quem é o maior guru dos aerials.

Logo atrás ficaram Julian Wilson e Taj Burrow.

Fica atento ao novo inquérito, desta vez sobre quem vai vencer o Quiksilver Pro actualmente a decorrer em França.

Place your vote!

Tiago avança para round 3 em França

Eduardo Fernandes e Carina Duarte entram a matar nos Açores

Eduardo Fernandes mostrou um elevadíssimo nível de surf
(photo: Ricardo Bravo)

Carina Duarte fez história, ao vencer o Ribeira Grande Pro, a terceira etapa do Campeonato Nacional de Surf Open e Feminino ANS Tour 08, que terminou hoje na praia de Santa Bárbara, Ribeira Grande, na ilha de S. Miguel, Açores.
A jovem ericeirense, de apenas 14 anos, bateu o recorde alcançado pela sua conterrânea Ana Sarmento na etapa anterior e tornou-se agora a atleta mais jovem de sempre a vencer uma etapa do Campeonato Nacional de Surf, Open ou Feminino.
Carina, que na primeira etapa do ano tinha ficado perto de vencer a prova, terminando então no segundo lugar, mostrou hoje muita atitude e vontade de vencer, além de um surf bastante maduro, lutando até ao fim e conseguindo na sua última onda a pontuação necessária para alcançar o primeiro lugar. Na segunda posição ficou a actual campeã nacional, Francisca Pereira dos Santos, Ana Sarmento foi terceira classificada e Filipa Prudêncio, líder do ranking até aqui, terminou esta etapa na quarta posição.
“Estava difícil mas finalmente consegui,” afirmou Carina Duarte à saída da água, mostrando a sua felicidade com um sorriso aberto. “Comecei bem, com uma onda de 6,5, mas demorei algum tempo a conseguir encontrar uma segunda onda razoável e como a Francisca também começou com um 6, liderou a maior parte da bateria. Mas felizmente lá encontrei aquela boa esquerda, que me deu a pontuação necessária mesmo à justa. Estou muito contente e ainda não acredito bem,” comentou ainda a jovem promessa nacional, que também passou para a liderança do ranking nacional feminino, sendo agora seguida de muito perto por Francisca Pereira dos Santos, Filipa Prudêncio e Ana Sarmento, da segunda à quarta posição, respectivamente. No que toca à discussão do título, fica tudo em aberto para as últimas etapas.
Na prova Open, o luso-brasileiro Eduardo Fernandes, de 20 anos, foi o grande destaque, ao vencer a etapa e a Expression Session para o melhor aéreo, não sem antes ter lutado bastante para conseguir bater o ex-tri-campeão nacional, Ruben Gonzalez, na bateria mais disputada do Ribeira Grande Pro – a final.
Eduardo começou melhor, com uma onda de 8,5 pontos (em 10 possíveis), mas o líder do ranking nacional, que também tinha feito algumas das melhores performances até ali e não queria deixar escapar a vitória, respondeu com uma de 7,5 pontos. Fernandes arranjou rapidamente uma onda de 6,67 como “back-up”, deixando Ruben a precisar de pouco mais de 7,8 para o ultrapassar. Mas quando Ruben apanhou uma onda que por pouco não lhe deu o primeiro lugar (“só” conseguiu 7,33), Eduardo arrancou numa das melhores esquerdas da final e selou o resultado com a sua segunda melhor onda, de 7,93 pontos, conquistando uma merecida vitória e o segundo score mais alto de toda a prova – 16,43 em 20 pontos possíveis.
Pouco depois da sua primeira vitória numa etapa do Campeonato Nacional de Surf Open, Fernandes ainda arranjou forças para entrar na Expression Session e vencê-la, graças a um bom aéreo de frontside, conseguindo fazer o pleno na sua primeira deslocação às ilhas açorianas.
"Estou muito feliz com estas vitórias,” afirmou emocionado o jovem vencedor. “Estava a precisar de bons resultados, pois ainda estou sem patrocínios, e a vinda a esta bonita ilha deu-me a confiança necessária para continuar a apostar na competição. A final foi muito competitiva e qualquer um podia ter ganho, sobretudo com as condições difíceis que encontrámos, mas a vitória na Expression Session foi mesmo uma grande surpresa, pois dentro de água nem percebi que estava à frente! Obrigado ao público, pelo incentivo. Levo óptimas recordações de S. Miguel e quero muito cá voltar,” concluiu Eduardo, que assim passou ao sétimo lugar do ranking nacional.
Quem mantém a liderança é Ruben Gonzalez, apesar do segundo lugar no Ribeira Grande Pro, depois de ter batido João Guedes nas meias-finais, noutra bateria muito disputada. Guedes terminou na terceira posição, ex-aequo com David Luís, que voltou a sentir-se de uma lesão no joelho durante o seu heat contra o virtual vencedor. Estes três atletas, juntamente com David Raimundo (quinto classificado nesta etapa), mantêm uma disputa acesa pelos lugares cimeiros do ranking nacional, que só ficará encerrada nas últimas etapas do Campeonato.
No final do Ribeira Grande Pro, Rodrigo Herédia, da DAAZ Eventos, co-organizadora da prova, era um homem satisfeito “com o impacto que esta teve na comunidade local e com as possibilidades de evolução que promete para 09. Foi um sucesso para o surf nacional, que finalmente percebeu as potencialidades destas ilhas, e um passo de gigante para o surf açoriano, que viu in-loco o caminho a seguir, quer em termos organizativos, quer a nível técnico. Não tivemos ondas perfeitas, como as que estou habituado a ver aqui, mas foram bastante razoáveis. Espero que consigamos manter esta prova no calendário nacional e até mesmo avançar para projectos maiores,” afirmou o ex-campeão nacional e europeu de surf.
O Ribeira Grande Pro volta em 09 e o Campeonato Nacional de Surf regressa já em Novembro, para as derradeiras etapas.

Carina Duarte fez história na Ribeira Grande
(photo: Ricardo Bravo)






A boa afluência de público justificou a aposta pela primeira vez nos Açores

(photo: Ricardo Bravo)

20 September 2008

Nacional na recta final

Para além das ondas, a paisagem nos Açores também é fonte de inspiração
(photo: Ricardo Bravo)



O dia de hoje começou cedo no Ribeira Grande Pro, a terceira etapa do Campeonato Nacional de Surf Open e Feminino ANS Tour 08.

O ex-tri-campeão nacional Ruben Gonzalez foi um dos destaques ao longo do dia, apresentando algumas das melhores performances e pontuações até agora, encontrando-se já nas meias-finais e mantendo por isso a liderança do ranking.

Mas ainda neste segundo dia, destaque para Francisco Henriques, que regressou aqui à competição a nível nacional e mostrou uma grande atitude, aliada a bom nível de surf, que quase lhe valeu um lugar na fase homem-a-homem. Francisco viria a perder no terceiro round, à frente do mais experiente Alexandre Grilo, mas por muito pouco não bateu Alexandre Ferreira.

“Começei bem, com uma onda de 6 pontos,” afirmou Francisco, “mas na minha segunda melhor onda caí na última manobra, o que provavelmente me custou a passagem à fase seguinte. No entanto, estou contente com a minha prestação, pois já não competia há algum tempo e agora fiquei motivado para continuar,” concluiu.

O terceiro round contou com quatro baterias extremamente disputadas, onde os resultados só ficaram decididos nos últimos segundos. Com todos os atletas em prova a mostrarem um nível de surf bastante equilibrado, os factores sorte, experiência e, sobretudo, escolha de onda, acabaram por ser decisivos na passagem aos quartos de final.

Destaque para Eduardo Fernandes, David Luís, Ruben Gonzalez e João Guedes, com este último a passar do quarto para o primeiro lugar na sua bateria graças à última onda que apanhou, a 30 segundos do final do heat. Emocionante! Para trás ficaram, além dos citados acima, atletas como Miguel Ximenez, João Mealha (noutro bom regresso à competição), Nuno Silva, César Rosa, Francisco Canelas e o alemão residente em Portugal, Josch Schmeltzer, que continua a deter a melhor pontuação da prova, 17 pontos em 20 possíveis, conseguida logo na sua primeira bateria.

Ao início da tarde realizaram-se os quartos de final homem-a-homem, com Eduardo Fernandes, David Luís, Ruben Gonzalez e João Guedes a avançarem para as meias-finais, que só se realizam amanhã. Na quinta posição ex-aequo ficaram o vice-campeão nacional João Antunes, o top 10 Alexandre Ferreira, o segundo classificado do ranking, David Raimundo, e o ex-top júnior nacional, António Silva, que perdeu num heat muito táctico, contra David Luís.

“Há mais de um ano que não competia, pois tenho dedicado o meu tempo a outros projectos também ligados ao mar,” afirmou António. “Estava muito cansado nesse heat e quase não consegui apresentar bom surf, por isso tive de me socorrer da táctica. Mas acabei por provar do meu próprio remédio e assim terminei em quinto. Não é mau… aliás, é o meu melhor resultado de sempre no Nacional Open, o que me motiva bastante,” concluiu o atleta da Praia Grande.

Para terminar o dia, realizaram-se as meias-finais femininas, com as oito atletas inscritas a entrarem finalmente para dentro de água e algumas das mais jovens a destacarem-se. Carina Duarte, de 14 anos, e Ana Sarmento, de 15 anos (vencedora da etapa anterior), ambas da Ericeira, venceram as duas baterias e levaram consigo para a final Filipa Prudêncio (líder do ranking nacional) e Francisca Pereira dos Santos, a campeã nacional em título.

Para trás ficaram Mariana Macedo, Francisca Sousa (campeã nacional Pro Junior 08 e segunda classificada na etapa anterior), Joana Machado, que por pouco não avançou para a sua primeira final, e Joana Rocha, ex-vice-campeã nacional e uma das atletas portuguesas mais experientes.

Amanhã, a partir das 10h30m da manhã, realizam-se então as meias-finais masculinas e as duas finais, assim como a Expression Session, onde iremos encontrar os vencedores da primeira prova nacional alguma vez realizada nos Açores.

19 September 2008

Oiçam King Kelly...

Surfistas nacionais em peso nos Açores

Paulo Sousa a desbravar águas quentes
(photo: Ricardo Bravo)

Começou hoje o Ribeira Grande Pro, a terceira etapa do Campeonato Nacional de Surf Open e Feminino ANS Tour 08, na praia de Santa Bárbara, Ribeira Grande, ilha de S. Miguel, Açores. Com cerca de 53 inscritos e ondas razoáveis de 0.5 m a 1 m, os primeiros heats de um campeonato nacional de surf alguma vez realizado nos Açores foram para a água cerca das 10h. O atleta algarvio João Mealha teve a honra de abrir e vencer a primeira bateria do dia, levando atrás de si um satisfeito Gil Rainha.

Mas foi Josch Schmeltzer, um surfista alemão radicado em Portugal, quem impressionou mais, logo na segunda bateria do dia, conseguindo um score total de 17 pontos em 20 possíveis, a maior pontuação até agora. Atrás de si, passou também à fase seguinte o veterano Miguel Ruivo, actual campeão nacional de Longboard, que aproveitou a sua estadia em S. Miguel para fazer uma “perninha” no Nacional de Surf Open. Quem sabe, não esqueçe!

Na quarta bateria do dia, o luso-brasileiro Eduardo Fernandes (quinto classificado na segunda etapa deste circuito) “descobriu” a melhor onda do dia, um 9.33 em 10 pontos possíveis, graças a um surf veloz e de manobras bem colocadas, vencendo também o seu heat e eliminando João Flor, um jovem talento micaelense, de apenas 14 anos, da vila próxima de Rabo de Peixe, que mesmo assim foi fortemente aplaudido pelo muito público presente.

Mas o maior aplauso da comunidade local foi para Paulo Luís Sousa, o único surfista de S. Miguel a avançar para a fase seguinte, onde se encontram os cabeça-de-série. Paulo mostrou bom surf e passou a sua bateria em segundo lugar, atrás de Francisco Cruz, eliminando Ivo Gonçalves e mostrando um sorriso de orelha a orelha à saída da água.

“Estou muito satisfeito com a minha prestação,” afirmou o atleta local. “O meu objectivo era não ficar em último lugar e isso já consegui, por isso tudo o que vier agora é bem vindo. O conhecimento desta praia, onde surfo regularmente, ajudou-me sobretudo no posicionamento, embora as ondas não estivessem no seu melhor. Espero que amanhã o vento abrande e as ondas quebrem com maior perfeição, como estavam no fim-de-semana passado,” concluiu o atleta da Associação de Surf de São Miguel.

Outros destaques ficaram por conta de António Silva, Ivo Cação, Tomé Simões e Francisco Henriques, todos vencedores das suas respectivas baterias da primeira fase, avançando assim também para o segundo round, que será disputado ao final do dia de hoje e amanhã de manhã.





17 September 2008

Girls no Rio

Barra da Tijuca foi... Mel

Melanie Bartels esteve imparável nos tubos da Tijuca
(photo: ASP/Covered Images)



A havaiana Melanie Bartels foi a vencedora do Billabong Girls Pro Rio, etapa do circuito mundial feminino que decorreu na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A surfista de 26 anos venceu a ex-campeã mundial Sofia Mulanovich, numa prova que já ficou para a história da ASP como uma das etapas que reuniu das melhores performances femininas desde sempre dentro de água.

Bartels, que com esta vitória deu um pulo da 14ª posição para o 6º lugar no ranking mundial, alcançou deste modo no Brasil aquela que é a segunda vitória na sua carreira competitiva no Tour da ASP.

"É uma sensação incrível!", começou por dizer a vencedora, contando que "a minha última vitória foi em 2006, numa prova em Sunset em que entrei como wildcard. Por isso, ter conseguido sair vitoriosa hoje, nestas condições, é realmente muito especial".

"As ondas começaram a deteriorarem-se já mais para o fim da bateria, mas consegui fazer duas boas pontuações para fazer frente à Sofia. Estava apenas a fazer o meu surf e, acima de tudo, divertindo-me muito", conta ainda Melanie.

Antes de defrontar a peruana, Bartels teve ainda o fantástico gosto de derrotar a actual campeã mundial, Stephanie Gilmore, numa das semi-finais, naquele que foi um dos mais disputados heats de sempre e que acabou com um score de 19.00, contra os 18.50, alcançados pela "Happy Gilmore" (hoje not so happy...)

"Depois daquela semi-final com a Steph eu senti-me cheia de confiança. As ondas realmente apareceram naquele heat e nós tiravamos tubos atrás de tubos... nunca me diverti tanto!", lembra a vencedora do Billabong Girls Pro Rio 2008.

10 September 2008

Trestles por pouco

Numa tarde que deu voos, Tiago crashed and burned

(photo: asp/covered images)



A competição é mesmo assim. Não há nada a fazer... Tiago Pires ficou pelo caminho em mais uma etapa do Circuito Mundial de Surf, ao perder por apenas algumas décimas para o veterano Taylor Knox.

Num muito renhido heat no round dois, do Boost Mobile, em Lower Trestles, Saca acabou com um score total de 16.43, contra os 16.83 alcançados por Knox.

Uma derrota assim tem gosto amargo, mas, como Tiago sempre mostrou, é sempre fonte de mais inspiração para as etapas que aí vêm.

Quem parece estar a dar-se bem é mesmo o seu amigo Jeremy Flores. O francês está a fazer uma óptima prestação e já está nos quartos-de-final.

Fiquem em linha para saber o resultado final desta etapa de Trestles.

09 September 2008

RIP: Chicken 2006-2008

É com alguma tristeza que se anuncia aqui a morte da Galinha.

A esperança de vida deste animal é de 15-20 anos, mas quando uma galinha se aventura nas ondas do mar não é de esperar que ela chegue longe. O bicho lá se envolveu com um espumaço maior que ela e foi desta para melhor...


Não, não enlouqueci. Para quem entra agora pela primeira vez neste site poderá não estar a perceber esta morte anunciada, mas quem tem vindo a seguir as passadas deste blogue sabe do que estou a falar.


Esta semana o "Fat Chicken Can Surf" deu lugar ao "Surfology". Continua a busca pela identidade deste blogue, que agora parece ter amadurecido do suficiente para largar a "capoeira" e abraçar uma nova filosofia em torno do desporto que nos une.


A Galinha está morta! Longa vida para a Surfology!

01 September 2008

Afinal, não foi tão mau assim...

Não tenhamos ilusões: todos deitámos uma "lagriminha" quando o Saca perdeu no Buondi Billabong Pro Portugal. Como verdadeiros portugueses, olhamos sempre para o passado e queremos que os momentos que nos fizeram felizes se repitam vezes sem conta.

Quem não se lembra a vitória do Tiago em Ribeira d'Ilhas naquela mesma prova?...

Mas se o passado está escrito, é para o futuro que temos que agora olhar e, mais do que vencer em casa e levar uma praia ao rubro, o Saca tem é que vencer lá fora e levar uma nação ao histerismo!

A verdade é que com a etapa da Ericeira, Tiago Pires conseguiu somar mais alguns pontos e está agora em 12º lugar do ranking 'QS. Uma posição fantástica, tendo em conta que ainda tem pela frente uma mão cheia de etapas e alguns valores que ainda pode subir.

Com Trestles em mente, perder em casa teve um sabor amargo (já o ano passado foi assim), mas valores mais altos se elevam e nada está perdido.

Se somos o país do fado, também somos o país da fé... e essa é a última a morrer!

Phil Mac contra tudo e todos

O australiano Phil MacDonald foi o surfista que conquistou o ouriço do Buoni Billabong Pro Portugal, no passado fim-de-semana, na praia de Ribeira d'Ilhas, na Ericeira.
Numa verdadeira corrida contra o tempo, as raras ondas boas que apareceram na final onde defrontou Pat Gudauskas foram suficientes para Phil aplicar toda a sua sabedoria e arrancar duas notas razoáveis de 8.00 e de 6.50, num total de 14.50.
Também Gudauskas deu o seu melhor, não conseguindo porém ir além de um score total de 12.40.
Para o australiano, "a técnica está sempre lá, em ondas grandes ou pequenas. Aliado a isso há que ter concentração e ter sorte também para apanhar as melhores ondas."
De destacar ainda as grandes participações do brasileiro Heitor Alves e do basco Eneko Acero, que conseguiram chegar às semi-finais, mostrando um elevado nível de surf e de motivação.
Phil Mac a pôr a sua marca no cimento do Buondo Billabong Pro Portugal
(photo: Alfarroba)

29 August 2008

Pro Junior Ericeira em imagens

Pro Junior Portugal Ericeira'08

Portugueses ficam pelo caminho

Ribeira d'Ilhas é sempre um palco fantástico para qualquer competição de surf
(photo: Alfarroba)

Foi o dia de todas as perdas para os portugueses que ainda estavam em jogo no Buondi Billabong Pro Portugal, na praia de Ribeira d'Ilhas, na Ericeira.

Apesar de muita trocida lusa que se deslocou à praia para ver o herói nacional no seu heat do round 48, o Rei Neptuno pareceu ser o maior adversário do português Tiago Pires.

Saca ficou em 3º lugar (e o sul-africano Gavin Roberts em 4º), não conseguindo bater um imparável Drew Courtney, que apanhou as melhores ondas - 8.50 e 7.50 -, bem como o seu amigo basco Eneko Acero, que, apesar de ter arrancado tarde, conseguiu dois bons scores (8.33 e 5.33) e garantiu o avanço para o próximo round.

Quanto a Tiago as esperanças morreram quando não conseguiu apanhar as ondas com maior potencial, alcançando apenas uma nota de 6.83 e outra de 4.87, não sendo o suficiente para ultrapassar Kepa.

E o 3º pareceu ser a posição de hoje para os portugueses, com Ruben Gonzalez também a não conseguir avançar para o round seguinte, travado pelo australiano Corey Ziems e pelo norte-americano Brett Simpson.

Embora não correndo por Portugal, os apoios lusos passam agora para Marlon Lipke, que conseguiu avançar na competição.

28 August 2008

Euroforce no MySpace


Não estão lá todos, mas estão lá muitos. Na página do My Space "Euroforce" podes encontrar como amigos alguns dos melhores surfistas europeus, entre os quais o Tiago.
Podes sempre checar e conhecer melhor os surfistas revelação do "velho" continente.

27 August 2008

Martin e Alizee vencem na Ericeira

Charles Martin a voar no impossível
(photo: Alfarroba)

O nome e a cara são desconhecidos do público em geral, mas a sua actuação em ondas que ficaram muito aquém do potencial de Ribeira D’Ilhas, ficou gravada em muitas mentes.

Charles Martin foi o surfista que mereceu a vitória na última etapa do Billabong Pro Junior Portugal. Numa final de nervos contra Wiggoly Dantas, Jatyr Brasaluce e Reubyn Ash, valeu ao surfista britânico a sua primeira onda de 8.17, nota que os restantes surfistas não conseguiram superar nos 30’ de heat.

“Ter chegado à final deu-me motivação e acreditei que podia mesmo ganhar. Tive uma feliz escolha de ondas que me deu os pontos suficientes para ser o vencedor. Estou muito satisfeito com a minha prestação,” disse no final Charles Martin.

Francesas em força
Já na final feminina do Billabong Pro Junior Portugal, França mostrou uma vez mais que está com uma forte representação no surf feminino europeu.


Justine Dupont, Cannelle Bulard, Alizee Arnaud e Lee Anne Curren foram as quatro surfista a alcançar o último heat do campeonato e, embora a filha de Curren fosse uma das favoritas à vitória (como de resto já havia acontecido naquela praia), foi Alizee Arnaud a mostrar-se mais forte e capaz de fazer face ao mar adverso e em constante queda a que se assistiu no último dia de competição.

Alizee, número 2 do ranking Pro Junior europeu, acabaria por confirmar todas as dificuldades que sentira na disputa pelo primeiro lugar: “Foi uma final muito difícil, com as condições do mar a não ajudarem. Mas ainda assim consegui escolher as melhores ondas e obter as melhores pontuações. Estou muito contente com a vitória nesta final, já que também no ano passado fiquei em segundo lugar.”

Terminou assim o Billabong Pro Junior Portugal, mas a acção continua em Ribeira d’Ilhas, na Ericeira, desta vez com os pesos pesados do circuito WQS, no Buondi Billabong Pro Portugal 08.

Para breve, poderás ver no Fat Chicken Can Surf uma foto-reportagem sobre o último dia Pro Junior. Fica atento…

Alizee a segurar o ouriço vencedor!
(photo: Alfarroba)

Bigger and Better


Evoluir. É assim desde os primórdios dos tempos, desde que colocamos os pés nesta terra. Sempre a evoluir. É também assim com este site.

Online há dois anos, o Fat Chicken Can Surf tem seguido o seu caminho. Em pequenas passadas, mas com muita vontade. Fazendo adaptações ao longo destes muitos meses, tentando ficar up-to-date com a maior frequência possível, este blog já conta com alguns (poucos, mas bons) adeptos e é a eles que devo os meus agradecimentos e devo a minha lealdade.

O Fat Chicken Can Surf começa agora um novo ano mais fresco e renovado e com mais força para continuar a dar as novas do surf, nacional e internacional. Umas vezes melhor, outras menos.

Mas se renovei o site é tempo também de renovar intenções. As mesmas de sempre: mais informação, mais actualidade, mais diversão.

Espero que gostem da nova imagem e dos novos features. ENJOY!

07 August 2008

Grande reportagem RTP

Quem é surfista em Portugal (pelo menos há mais de cinco anos... no mínimo) sabe o percurso difícil que se tem sido para estabelecer o surf como um desporto como qualquer outro (mas melhor!), digno do mesmo respeito que merece (e agora vou ser vulgar) o futebol.

Também o atletismo deve pensar o mesmo... e com razão!

Mas o facto é que o surf tem vindo a desbravar caminho e hoje tem cada vez mais adeptos... nem que seja num formato mais de verão do que no formato da água gelada do inverno português.

Sim, tivemos os Morangos... infelizmente... mas, felizmente, temos um Saca a dar cartas lá fora, a marcar lugar entre a nata do surf mundial e a mostrar que estamos cá.

Para uma maior tomada de consciência em torno do surf, os media são muito importantes. Eu que o diga, surfista e jornalista de profissão, sei bem o poder da comunicação social na divulgação de tudo o que é bom... e mau.

Por isso não posso deixar de ficar orgulhosa com a reportagem que ontem passou na RTP sobre o Tiago. Mostrou um grande surfista e uma grande pessoa. Mas o que mais gostei foi mostrar, em horário nobre, na televisão pública, o peso que este desporto lá fora, principalmente na Austrália, onde os bilhetes para uma etapa do mundial custam o mesmo que para um jogo de futebol em Portugal e a praia chega a albergar mais de 10.000 espectadores.

05 August 2008

Finnally, King Bruce!

Um muito merecido primeiro lugar para o menino rebelde do Hawaii
PHOTO: ASP/Covered Images
Depois de ter anunciado a sua saída do Tour mundial, Bruce Irons surpreendeu tudo e todos ao vencer o Rip Curl Pro, na Indonésia.
O irmão Irons mais novo mostrou-se imparável durante toda a competição, alcançando notas muito acima da média e detornando toda a concorrência.
Na final contra Patacchia, Irons alcançou um 9.33 e um 8.33, e arrasou naquele que foi a sua primeira vitória no Tour da ASP.
"Um dos meus objectivos quando comecei a competir no Tour era ganhar um evento, mas não tinha a certeza que conseguiria, ainda por cima, tendo anunciado a minha saída no final deste ano," conta Bruce. "Mas as ondas estavam fantásticas neste evento! É assim que o Dream Tour deveria ser sempre!", acrescenta o surfista, que confirma a sua saída mesmo depois desta vitória na Indo. "Mas não irei reformar-me das competições. Pretendo continuar a entrar nas provas de Pipeline e Teahupoo". Uma dor de cabeça para todos os competidores!

03 August 2008

Tiago sob o feitiço dos Deuses indonésios

Tiago esteve perfeito na Indo. Um orgulho para todos os surfistas portugueses
PHOTO: ASP/Covered Images

Mais uma vez o país (pelo menos o do surf) ficou em suspenso pela madrugada fora, agarrado à Internet naquela que foi uma etapa do WCT que ficou para a história do surf nacional: pela primeira vez, Tiago Pires alcançou uma semi-final no Rip Curl Search em Uluwatu, na Indonésia (destino que teimaram em nunca dizer, mas que qualquer surfista que se preze conhece, nem que seja de fotos).

Depois de afastar no round 3 o 8x-campeão mundial, Kelly Slater, que até agora tinha ganho todas as etapas do circuito deste ano, à excepção de uma que foi ganha por um wild card, Saca seguiu em frente para encontrar um muito aguardado confronto com Dayyan Neve, o surfista que o afastou de primeira na etapa em Jeffreys Bay.

Dayyan não teve hipótese com Tiago a arrancar no heat, logo na sua primeira onda, com um 9.60, seguido por um 4.17, e uma gestão de resultado brilhante.

Daí, foi um pulo para os quartos-de-final, ganhando por pouco a Kieren Perrow.
Até aqui, toda a nação tuga estava em suspenso. Pensava-se que já tinha sido um grande golpe de sorte ter ganho, no último minuto, ao king slater, mas conseguir chegar a uma meia-final era completamente extasiante... Poderíamos nós chegar à final pela pessoa do muito determinado e monido com o seu lucky moustache, Tiago Pires (até os australianos começaram a dizer que Saca parecia uma verdadeira porno star... mas o facto é que as meninas começaram logo a perguntar se Tiago é comprometido! O tuga style in action!)?
Até poderiamos, se as ondas colaborassem. A verdade é que a primeira semi-final do Rip Curl Pro "somewere" in Indo contou com ondas muito fraquinhas, enfraquecidas pela maré cada vez mais vazia.
Contra Freddy P. (Fred Patacchia Jr), Saca ficou a precisar de uma onda de apenas 5.00 pontos... onda que acabou por não chegar.
Para Tiago, "este é o melhor resultado da minha carreira até hoje e conseguir um terceiro lugar a meio do tour tira um pouco da pressão."
"Este resultado vem ajudar-me, ao dar-me um melhor seeding para a próxima paragem em Lower Trestles," explica Tiago, que com este terceiro lugar sobe de 39º para 27º no ranking geral.
Ainda, o resultado na Indo vem dar um novo alento ao atleta que se prepara para correr todas as etapas do WQS que começam agora na Europa.
A GALINHA vai estar a acompanhar o Saca em Hossegor e promete contar-te tudo sobre a prova francesa! Fica ligado!
Uma foto magnifica a marcar a vitória do Saca sobre Slater
PHOTO: ASP/Covered Images
O Tuga (de imponente bigode) não podia estar mais satisfeito com este resultado
PHOTO: ASP/Covered Images

16 May 2008

Um heat para ver, analisar e vibrar

Falou-se português no pódio de Teahupoo

Bruno "curtindo" o momento!
(PHOTO: ASPKristin/Covered Images)

Foi uma grande vitória para o brasileiro Bruno Santos, um trialista que tornou-se rei no Billabong Pro, a etapa de Teahupoo do tour mundial deste ano, e no primeiro brasileiro a vencer uma etapa do WCT, de há cinco anos para cá.
O mar estava a descer e as ondas escasseavam na final que reuniu Bruno com o tahitiano Manoa Drollet, também ele um simples wildcard neste evento que, literalmente, arrumou com grandes nomes do surf mundial no decorrer desta prova.
Com o swell inconstante, as pontuações não foram de grande relevância, com o brasileiro a conseguir um score total de 9.16, contra apenas 6.83 de Drollet. Tudo com uma prancha emprestada.
"Estou muito feliz! Os meus sonhos acabaram de se tornar realidade," disse Bruno Santos no final do evento. "Hoje não estava o surf perfeito para uma final, mas não quero saber! Continua a ser o dia mais feliz da minha vida," acrescenta.
Para o surfista, o heat não foi fácil, mas ele estava inspirado: "Consegui dois tubos e nem haviam ondas... nem sei, acho que a Mãe Natureza estava a tentar ajudar-me. Hoje estava muito pequeno e a minha 6'3 era muito grande, por isso pedi uma prancha emprestada a um francês que estava no canal. Ele salvou-me a vida e eu quero ficar com a prancha dele!"
Saca faz a sua melhor prestação até agora
Quem esteve brilhante foi o nosso Tiago Pires que, no heat contra Joel Parkinson, conseguiu fazer um 10 (nota máxima pontuada a uma onda)!
Porém, e mostrando sempre um grande ritmo, Saca pecou com uma interferência feita ao australiano (muito contestada por toda a nação surfística portuguesa, que tem passado os últimos dias a discutir o assunto), que lhe retirou a pontuação da sua melhor onda.
Saca que poderia ter terminado com um score maior de 18 pontos, acabou a sua prestação neste segundo round do evento de Teahupoo com um 10, mas muito crédito perante toda a comunidade internacional.
Ninguém conseguiu negar que Saca foi o melhor dentro de água, tendo o próprio Joel Parkison confessado que estava bem atrás do nível demonstrado por Tiago e que a única forma de seguir em frente havia sido aquela.
A próxima etapa do WCT é em Fiji, de 25 deste mês a 6 de Junho.

Saca foi o orgulho de uma nação
(photo: ASPKristin/Covered Images)