23 October 2009

'CT manda âncora em Portugal?

Durante a manhã de hoje soubesse que o big boss do tour da ASP, juntamente com o ex-ministro da Economia, Manuel Pinho, e o presidente da CMPeniche, reuniram para discutir... o futuro!

Quando temos cá Renato Hickel, himself, para debater o "futuro", não podemos deixar de ficar com as orelhas em pé e o coração a bater... será que, finalmente, vão escolher Portugal para fazer parte de forma permanente do Tour Mundial?

Nós que por cá andamos, sabemos que a nossa terrinha tem todas as potencialidades para dar show. Ainda por cima nesta altura do ano em que a nossa costa é sempre receptiva a uma série de swell's. Mas faltava o pessoal da ASP ter essa noção.

Apesar do surf ainda não ter funcionado nos Super, a península de Peniche parece ter mostrado que, faça vento, chuva ou ondulações para lá do normal, há sempre uma boa ondinha pronta a ser surfada... até em tow in!

Dizem-me fontes fidedignas, que Portugal nunca esteve tão perto de, para o ano, voltar a receber os melhores do mundo. Penso que as ondas e o público que se vai deslocar este fim-de-semana a Peniche poderão dar uma ajudinha extra. Aloha!

22 October 2009

Poderá este ser o campeonato do Marlon?

Tiago Pires não resistiu a um mar que não ofereceu muitas potencialidades
(photo: Free Surf Mag)

Depois de três dias de uma eterna espera, a organização do Rip Curl Search acabou por dar início à competição em ondas que, contudo, deixaram muito a desejar da parte da manhã.
O round 1 começou, mas apenas até ao terceiro heat, após o qual foi decidido colocar tudo on hold até à hora de almoço, altura da mudança de maré.
Tiago Pires foi vítima desta primeira decisão, não conseguindo ondas de qualidade suficiente para poder passar a exibição de Nathaniel Curran.
Foi a primeira grande baixa portuguesa, uma vez que o público na praia e online tinha grande expectativa quanto à sua exibição e até onde poderia ir neste penúltima etapa do Mundial.
Correndo pela Alemanha, mas vivendo em Portugal, Marlon Lipke teve no Molhe Leste a sua primeira vitória do ano. Marlon estava histérico e os portugueses com ele.
Dadas as condições do mar na parte da tarde, a prova não avançou para além do heat 8, a bateria onde entrou o David Luís, wildcard da Rip Curl, beneficiando com a ausência de Jeremy Flores, que se encontra lesionado. David Luís acabou por não ser par para Kai Otton.
A organização do Rip Curl Search marcou para as 8h00 de amanhã uma nova chamada para análise das condições do mar e possível reinício da competição.
Caso arranque amanhã, o primeiro heat do dia contará com a presença de Justin Mujica, outro português a marcar presença nesta etapa do Tour Mundial pela sua vitória nos trials.

21 October 2009

Big surfers in big sea

O campeonato ainda não começou e eles já estão a dar show
(photo: Ricardo Bravo/SurfPortugal)
O swell era esperado, mas a organização do Rip Curl Search nem queria acreditar quando hoje encontrou toda a estrutura montada em Supertubos, devastada pelos ondas e a areia.

Apesar de tudo, o "circo" está igualmente montado no parque do Lagido e a prova ficou em suspenso até às 13h30 de hoje para um possível começo... mas o mar e o vento não colaboraram e esta quarta-feira foi mais uma vez um no show.

Quem não pareceu muito afectado foram os melhores surfistas do mundo que aproveitaram o mar grande e as motos de água para dar um espectáculo de tow in. Impredível para quem teve o tempo para se deslocar a Peniche... e não foram poucos.

Pena é as transmissões em directo não serem igualmente das sessões de free surf.

Para quem está em casa resta esperar por amanhã, 8h00, para ver se será o dia D.

19 October 2009

Os trials em fotos

Fiquem com algumas imagens do dia de ontem (photos: Marlene):




Mujica agarra última vaga do Search

Os trials do Rip Curl Search foram uma autêntica etapa do nacional, com os melhores surfistas portugueses a tentarem agarrar a última vaga para o main event do Rip Curl Search.
Justin Mujica foi o surfista que se destacou, apesar de durante todos os trials ter apresentado um efeitio muito agressivo... talvez exemplificativo que não aceitava nada mais que a vitória daquela prova.
Mujica junta-se assim a Tiago Pires e a David Luís (patrocinado da Rip Curl que ganhou automticamente um lugar na etapa do mundial, depois de Jeremy Flores ficar de fora por causa de uma lesão), naquele que é o maior contingente português a participar numa prova do World Tour.
As expectivas estão altas para a etapa portuguesa do Mundial. A prova foi suspensa no dia de hoje por fracas condição de mar e tendo em prespectiva o grande swell que deverá sentir-se a partir de amanhã. Talvez grande demais para que a prova arranques esta terça-feira. As apostas estão a ser feitas para um possível início apenas na quinta-feira, mas todos os dias haverá uma avaliação das condições para início da penúltima etapa do Mundial.

15 October 2009

Música & Surf

A 5ª edição do Rip Curl Pro Search será este ano realizada em Portugal.

Depois de ter passado pelas Ilhas Reunião, México, Chile e Bali este ano será a vez de Peniche receber a tão aguardada prova do Circuito Mundial de Surf.

As praias de Peniche, a partir do dia 19 e até ao dia 30 de Outubro, enchem-se de pranchas e fanáticos do surf para assistirem à 9ª etapa do calendário do ASP Men's World Tour.

Como não podia deixar de ser para além de ondas e pranchas, haverá música, muita música. Uma noite inteira de diversão e descontracção com bandas e Dj’s, que acontece no sábado 24 de Outubro. No festival Rip Curl TMN Music Sessions estarão presentes artistas nacionais e internacionais:

Max Romeo
Reconhecido internacionalmente como uma lenda da história do reggae, Max Romeo é uma das personalidades mais fortes do ritmo. Abordando sempre temas actuais, sejam com conotação político-social ou meramente factos do quotidiano, Max Romeo é uma lenda. Foi cortejado por inúmeros músicos, como Keith Richards (Rolling Stones), entre tantos outros. É com certeza, um dos mais brilhantes entre os “Old Gladiators “ da Jamaica.

Stereo Addiction
O projecto nacional Stereo Addiction é formado por Gustavo e John-e, produtores e DJ's de música electrónica. O duo centra o seu trabalho no estilo house progressivo tendo sido convidado para fazer a primeira parte do concerto dos Underworld, no Coliseu de Lisboa, em 2003, e actuar na Tenda "Da Providers" no Festival Hype@Meco.Um dos duos mais activos do panorama electrónico nacional, que estão a ganhar forte projecção musical em cidades vanguardistas, como Londres.

Marrokan & the Charly Skank Band
Com uma voz única e sempre acompanhado da sua guitarra, este cantor português interpreta o Fado, Rock, a Morna e Soul mas é no Reggae / World Music que encontra a forma perfeita de se expressar.Marrokan apresenta-se com um novo projecto a solo onde junta ao Reggae influências Árabes, Africanas e Portuguesas.Richie Campbell & the 911 BandRicardo Costa mais conhecido por Richie Campbell, aos 22 anos é já uma das grandes promessas no panorama nacional. Ao longo dos anos foi-se tornando um nome incontornável no Reggae português.Em 2008 foi o primeiro português a atingir o Top de Vendas da Soundquake (líder de vendas de reggae em formato vinil) e, no mesmo, ano esteve em tour pela Alemanha. Este ano prepara-se para lançar o seu primeiro álbum.

Dapunksportif
Dapunksportif surgiram em 2004 em Peniche. A banda da terra onde se vai realizar a prova é composta por João Guincho and Paulo Franco, companheiros desde à muito tempo noutros projectos musicais, e o produtor Marco Jung.“Overdrive”, o primeiro trabalho da banda, recebeu óptimas criticas e levou-os a realizar uma tournée pelo país onde chegaram a abrir os concertos de Xutos e Pontapés da tournée “Três Desejos”, que terminou no Coliseu dos Recreios.Tocam agora no maior evento de surf mundial na terra Natal.

Frankie Chavez
Frankie Chavez é o heterónimo artístico de Francisco Chaves, dá início a um processo de gravação totalmente livre, que tem como base as viagens e a interacção com outras culturas e formas de estar, como meio de encontrar e criar o seu próprio ambiente artístico.Teve ainda o prazer de ser convidado para desenvolver o tema oficial do campeonato Rip Curl Pro Search criando uma fusão perfeita entre o mundo da música e do surf.

Depois de alguns dias de mar e surf, o Rip Curl TMN Music Sessions no dia 24 de Outubro traz a música ao maior evento de Surf do mundo.

Puxem do ábaco!



Fanning poderá sair campeão mundial da prova portuguesa
(photo: ASP)

Não só vamos ter já na próxima semana os melhores surfistas do mundo em Peniche, como poderá acontecer o título mundial ficar decidido na nossa humilde terrinha. E tudo parece girar agora em torno de Mick Fanning que, segundo ouvi, já anda em treinos intensivos para os lados dos Belgas. Vamos a contas.

- Se o Fanning ganhar o Rip Curl Search:
O Joel Parkinson tem que alcançar o 9º ou melhor, e o Adriano de Souza o 3º lugar ou melhor para prevenir que ele se sagre campeão em Portugal;

- Se o Fanning ficar em 2º na prova portuguesa:
O Joel tem que ficar em 17º ou melhor, o Adriano em 5º e o kelly Slater ou o Bede Durbidge têm que vencer para que o australiano não arremate para já o título mundial;

- Se o Fanning acabar o próximo evento em 3º:
Basta o Joel ficar em 33º, o Adriano em 9º, o Kelly ou o Bede têm que chegar à final e o CJ Hobgood ou o Taj Burrow ganhar o evento para lograr as expectativas do ex-campeão mundial.

O futuro até pode parecer risonho para Fanning mas, se as previsões se manterem e o mar ajudar, Supertubos pode ser muito imprevisível e tudo pode acontecer… até o Saca ir a uma final em casa!

Mineirinho encontra ouro em Mundaka

Adriano de Souza, aka Mineirinho, conseguiu a sua primeira vitória no prova do World Tour e colocou-se como um grande e forte candidato ao título mundial.
Após ausência de condições na mítica Mundaka, Sopelana foi o palco para um momento inesquecível para o pequeno brasileiro de 22 anos.
O seu concorrente na final foi o australiano Chris Davidson que, depois de ter espantado o público com uma fantástica exibição no decorrer da prova, não conseguiu fazer frente a um Mineirinho que estava “botando fogo” em cada onda que apanhava.
“Não tenho palavras para exprimir a felicidade que estou a sentir neste momento”, disse Adriano depois da final, onde conseguiu alcançar um score total de 16.40, em 20 possíveis.

SACA FICOU PELO ROUND 2
Já Tiago Pires começou forte este evento, mas ficou-se pelo round 2, contra o norte-americano Taylor Knox. O surfista português deu o tudo por tudo tendo perdido uma vaga na ronda seguinte por apenas 0,13 pontos.

Com apenas duas etapas a faltar para o final do circuito (a próxima é mesmo em Peniche, Portugal, entre 19 – 28 deste mês), o ranking encontra-se assim:

1 – Mick Fanning (AUS) 6350 points
2 – Joel Parkinson (AUS) 6306 points
3 – Adriano de Souza (BRA) 5773 points
4 – C.J. Hobgood (USA) 5748 points
5 – Bede Durbidge (AUS) 5524 points
6 – Kelly Slater (USA) 5514 points
7 – Taj Burrow (AUS) 5149 points
8 – Bobby Martinez (USA) 4914 points
9 – Taylor Knox (USA) 4816 points
10 – Damien Hobgood (USA) 4794 points

02 October 2009

Indo sofre com dois abalos sísmicos

A Indonésia e outros países asiáticos sofreram várias catástrofes naturais no decorrer desta semana.
Quem já visitou aquelas ilhas do Pacífico sabe que a grande maioria das construções são muito rudimentares e quando algo desta dimensão acontece não são poucas as vítimas mortais e os estragos materiais de um povo que ainda vive em grande parte do pequeno comércio e da agricultura.
Para acompanhar os trabalhos de reshate e ajuda que estão a ser feitos pela delegação da Cruz Vermelha na Ásia, vista:http://www.ifrc.org/index.asp#

29 September 2009

Saca contra Slater: um heat de nervos

Este é o Saca que conhecemos

Tiago subiu ao palco para um merecido 3º lugar
(photo: ASP)

Tiago Pires selou a sua participação no Quiksilver Pro, em França, com um honroso 3º lugar.
Depois de uma primeira ronda nada fácil, Tiago começou a avançar no decorrer de toda a prova com um surf muito seguro e com muito power, tendo, inclusivamente, derrotado o 9x campeão mundial Kelly Slater.
O surfista português conseguiu alcançar as semi-finais, sendo apenas derrotado pelo vencedor desta etapa do circuito mundial de surf, Mick Fanning.
Para Saca este resultado vai de encontro com os seus melhores objectivos, uma vez que pretende aproveitar as etapas que terão lugar na etapa para subir no ranking geral.
Para já, o português sobe oito lugares, até à 23ª posição, e parte para a etapa em Mundaka com a confiança ao rubro.
Depois da paragem em Espanha será a vez de Peniche, em Portugal, receber os melhores do mundo, entre 19 e 30 de Outubro.

25 September 2009

Saca segue para round 3

Tiago conseguiu fechar a sua vaga na 3ª ronda da competição
(photo: ASP)

Depois de um primeiro round difícil no Quiksilver Pro France, Tiago Pires conseguiu garantir presença no 3º round após uma bateria bem surfada contra o havaiano Kekoa Bacalso.
Saca atacou forte, conseguindo um 9 e um 5.33 nas suas duas melhores ondas, num score total de 14.33 contra os 13.33 alcançados por Kekoa.
Mas a história repete-se e Tiago terá agora como próximo adversário... Damien Hobgood. Tal como na última etapa em Trestles.

23 September 2009

Tugas remetidos para round 2 do Quiksilver Pro

O primeiro dia do Quiksilver Pro, em França, não foi dos melhores para os dois surfistas portugueses que integram o Tour mundial.

Quer Marlon Lipke, quer Tiago Pires, ficaram em últimos nos seus respectivos heats do primeiro round da competição francesa, não tendo ido além dos 7 valores.

Resta-lhes agora o round 2 para não saltarem já fora de uma competição que lhes pode dar pontos preciosos para o ranking deste ano.

Surfology parceiro do OceanLook

O Surfology integra, a partir de hoje, a Blog Community do site OceanLook.

Sendo um site completamente dedicado ao mar e aos seus desportos, o Surfology não podia estar mais contente e honrado com o convite e promete manter actualizado todas as notícias e comentários acerca da actualidade surfística em Portugal e no Mundo. ENJOY!

22 September 2009

Taranaki entra na rota do surf feminino

A Nova Zelândia continua a ser uma costa ainda pouco explorada
(photo: http://kristinsavage.com/)

O circuito mundial de surf feminino ganhará um novo cenário em 2010: Taranaki, na Nova Zelândia.

O Tanaraki Women's Surf Festival realizar-se-á entre 14 e 18 de Abril e irá abranger spots como Fitzroy Beach, Rocky Point, Stent Road e Opunake.

A Nova Zelândia já entrou para as bocas do surf internacional com a entrada da rookie Paige Hareb, de 19 anos, para o circuito, estando a mesma na 3ª posição do Dream Tour feminino. "O surf costuma ser muito consistente naquela época do ano, por isso estou ansiosa para mostrar às meninas o que aquela costa tem para oferecer", disse Hareb sobre esta notícia.

21 September 2009

Fanning arrasa em Trestles

Fanning mostrou porque faz parte da lista dos melhores do mundo
(photo: Hurley)


Mick Fanning foi o grande vencedor do Hurley Pro, em Lower Trestles, nos Estados Unidos.

Quando tudo apontava para Kelly Slater como o vencedor (uma vez mais) desta mítica etapa norte-americana, o surfista australiano fez uma final de luxo contra o local Dane Reynolds, conquistando o maior prize-money de sempre: 105 mil dólares.

Embora o mar não estivesse em condições épicas, bastou um metro de razoável ondulação para Fanning relembrar porque foi campeão mundial em 2007.

Com esta vitória, Mick Fanning consegue catapultar-se da 7ª para a 2ª posição do ranking mundial, ficando na corrida directa para o título mundial deste ano.

Por outro lado, o segundo lugar de Dane nesta 6ª etapa do mundial não é de todo desprestigiante. Até porque o surfista foi o que fechou as duas melhores pontuação do evento - um 9.70 e um 9.67 - muito devido ao seu surf progressivo.

TOP 10 RATING:
1 – Joel Parkinson (AUS) 5486 points
2 – Mick Fanning (AUS) 4550 points
3 – Adriano de Souza (BRA) 4348 points
4 – C.J. Hobgood (USA) 4272 points
5 – Damien Hobgood (USA) 3974 points
6 – Kelly Slater (USA) 3906 points
7 – Bede Durbidge (AUS) 3760 points
8 – Taj Burrow (AUS) 3685 points
9 – Taylor Knox (USA) 3616 points
10 – Bobby Martinez (USA) 3582 points

16 September 2009

Another great movie from Taylor Steele

Saca vs Damien

Saca não resiste a Damien

Slater continua imparável na etapa de Trestles
(photo: ASP)

O surfista português Tiago Pires não conseguiu vencer um muito determinado Damien Hobgood no round 3 da 6ª etapa do WCT, em Lower Trestles.

Apesar de ter feito uma óptima exibição de surf e ter alcançado a melhor onda pontuada na sua bateria, faltou a Tiago um pouco mais de ondas e surf para poder derrotar o norte-americano.

Quanto a Hobgood, que se encontra na 5ª posição da tabela geral do circuito mundial, não mostrou receio em arricar novas manobras.

Embora a participação portuguesa nesta etapa esteja concluída, as atenções continuam em Trestles e, principalmente, em Slater que se tem mostrado imparável. Será que conseguirá mais uma vitória nesta etapa?

As expectativas estão altas, até porque as previsões apontam a uma possível subida do mar, consequência de um furacão que está a passar pelo Pacífico.

15 September 2009

Saca vs Jordy, um heat de nervos

Saca segue para o round 3

Against all odds, Saca conseguiu vencer Jordy e passar para o round 3
(photo: ASP)

Tiago Pires é uma caixinha de surpresas e a garra não o tem abandonado.

Remetido para o round 2 da etapa do mundial em Lower Trestles, onde defrontou o top 10 Jordy Smith, Saca não baixou os braços e deu o melhor, conseguindo passar para a próxima ronda com uma diferença de décimas: 13.50 contra 13.24 de Jordy.

Tiago agora segue em frente para defrontar o local Damien Hobgood, que se encontra na 5ª posição do ranking total do circuito WCT.

14 September 2009

Saca in Action - Round 1 Hurley Pro

Saca remetido para round 2

Kelly está a jogar em casa e é um dos grandes favoritos para vencer a etapa de Trestles
(photo: Hurley/ASP)

Tiago Pires começou com força a 6ª etapa do circuito mundial de surf, o Hurley Pro, em Lower Trestles.

Num heat que juntou o atleta português com o norte-americano e veterano Taylor Knox e o australiano Chris Davidson, Saca esteve toda a bateria a liderar. Porém, a escassos minutos do fim, Davidson conseguiu a pontuação que lhe faltava para ultrapassar o português e saltar directamente para o round 3.

A Tiago resta engolir a "derrota" que muitos criticam como mais uma "ajudinha" por parte dos juízes, e fazer um dificil round 2 contra Jordy Smith.

Quem não deixou de dar espectáculo é o preferido desta etapa, Kelly Slater. Somando já várias vitórias do mundial naquela mesma praia, Slater distribuiu manobras na sua primeira etapa contra Adrian Buchan e o seu amigo Rob Machado, que abandonou a competição profissional para se dedicar ao free surf.

Por espanto de todos (ou talvez não), bastaram cinco minutos para Slater conseguir colocar os dois surfista em situação de combinação.

As atenções voltam-se para o heat 8, do round 2, altura em que Tiago volta a competir.

11 September 2009

Gripe S

Por norma o surfista tem sempre no topo das suas prioridades as surf trips, sejam elas dentro de Portugal ou fora. Mas cada vez mais tornam-se acessíveis as viagens ao estrangeiro. Pacotes fantásticos que o amigo do amigo conseguiu e dos quais resultaram fotografias brutais que nos fazem desde logo viajar em sonhos.
Nunca fomos apegados às estações do ano. Faça chuva, faça sol, estamos prontos para fazer as malas e pegar nas pranchas. Aliás, o ideal é mesmo o nosso inverno no hemisfério norte e o nosso verão no hemisfério sul. Mas seja em que parte do planeta for há sempre hipóteses que apanhemos boas ondas.
Mas não deixa de ser na altura das férias portuguesas que podemos agendar as nossas viagens e partir daqui para fora sem complexos de que vamos deixar algum colega na mão com quantidades titânicas de trabalho que deveríamos fazer.
Porém, este verão – e já perspectivando o Outono – notícias têm surgido todos os dias dando conta dos casos de gripe A. “A pandemia deste século”… “milhares de pessoas já foram vítimas”… “centenas de mortos”… os casos noticiados são alarmantes. Para qualquer hemisfério para onde nos voltemos parece não haver porto seguro. Hummmm… leva-nos a pensar… ou talvez não…
O facto é que, embora não faça notícia no telejornal, milhões de pessoas em todo o mundo estão contaminadas com um outro vírus, esse sim, sem cura possível, aka “bichinho do surf”. Chamemos-lhe Gripe S (para sermos modernos).
Esta gripe faz vítimas todos os anos e, ao contrário da tão falada Gripe A, parece propagar-se com maior incidência no verão, no calor e na praia.
Este vírus ultrapassa completamente qualquer ideia de apanhar o H1N1 e leva-nos não a olhar para os países como aqueles onde a Gripe A está mais disseminada, mas a olhar e ver altas ondas com viagens ao preço da chuva. Aliás, se virmos bem, é esta mesma virose que nos leva para locais onde existe a malária, a febre-amarela, ou outras doenças tropicais capazes de matar com uma rapidez fulminante.
Inconscientemente, está-nos na mente a velha ideia de “só acontece aos outros” e somos atraídos pelo Havai, o México, o Chile, enfim, toda a América Latina, local onde tudo começou, mas que agora está tão perto a valores inacreditáveis. Mas está-nos também na corrente sanguínea a Gripe S que suplanta todos os nossos institutos mais básicos de auto-preservação.
Com este artigo não quero minimizar a importância da pandemia que o mundo está a viver, mas apenas constatar que, à parte de todos os avisos, vamos continuar a calcorrear este mundo fora com uma prancha debaixo do braço. Nós e o nosso vírus.

Pois, pois, sempre a mesma desculpa...

Sim, é verdade e é sempre a mesma... montanhas de trabalhinho e nem um tempinho para saciar o vício da escrita e o vício do surf.

Voltei à linha e espero tornar mais recorrentes os meus posts.

Obrigada pela paciência e muito obrigada aos seguidores deste espaço e os amigos (novos e velhos) que comentam aqui.

O Surfology é especialmente para vocês!

24 April 2009

Lacomare comme tudo!

Lacomare não dá hipóteses no Guincho
(photo: ASPEurope)

Marc Lacomare, francês de 18, foi o vencedor do Estoril B! Pro Junior, prova que decorreu no Guincho, em ondas que rondaram o metro, metro e meio.
Lacomare venceu Joachim Guichard com uma actuação muito confiante e cheia de táctica: "Vencer esta etapa foi um passo óptimo para mim. As ondas estavam muito difíceis por isso estou muito contente de ter conseguido fazer uma onda de 8.17", conta o surfista que paece andar numa boa maré de resultados.

E vão duas...


Joel está on fire e promete continuar a dar luta
(photo: ASP)

Joel Parkinson voltou a sentir o sabor da vitória este ano ao vencer o prestigiado Rip Curl pro Bells Beach, numa final contra o rookie australiano Adam Robertson.

Parko tem aparecido em grande forma nas etapas do Tour mundial e os dois metros de onda que partiram em Bells pareceu ser a fórmula mágica para arrecadar mais uma prova.

"Vencer em casa é provavelmente a vitória mais especial que podemos ter e este é o troféu mais especial que podemos conquistar", contou no final o surfista australiano, que já anteriormente havia tocado o sino mais famoso do mundo do surf.

"As pessoas podem deixar-se levar por toda a questão da corrida pelo título, mas eu apenas queria começar o ano com bons resultados. Mas nunca pensei conseguir um início destes. Neste momento existem muitos surfistas furiosos atrás de mim e vou começar muito forte nos próximos eventos. Vou aparecer no próximo evento com o mesmo plano de jogo que tenho tido e levar as coisas step by step", garante Joel Parkinson.

A próxima paragem do Tour mundial é o Billabong Pro Teahupoo, de 9 a 20 de Maio.

15 April 2009

Presos no Equador

Dois atletas da selecção nacional estão detidos há 10 dias e impedidos de regressar a Portugal. Os jovens, de 14 anos e 17 anos, foram implicados na investigação a um caso de violação. Mas a vítima já os ilibou.
Segundo apurou o Expresso junto de uma fonte diplomática, "o caso está a ser acompanhado desde a primeira hora ao mais alto nível e o contacto com as famílias tem sido permanente".
Os pais dos dois rapazes encontram-se já no Equador mas ninguém sabe ao certo quando poderão regressar a Lisboa. Neste momento, os jovens estão sem os passaportes - confiscados pelas autoridades - e a aguardar o desenrolar do processo.
Os surfistas portugueses foram detidos na noite de 5 para 6 de Abril. um domingo, poucas horas depois da final do Campeonato Mundial de juniores, que decorreu em Salinas, no Equador.
A comitiva portuguesa foi surpreendida por elementos da Polícia, armados com metralhadoras, e os dois rapazes foram detidos e levados para a esquadra. Na origem da detenção estava a queixa de uma jovem inglesa, também atleta, que alegava ter sido violada.
Os dois rapazes passaram os quatro dias seguintes numa cela, mas separados do resto dos reclusos devido à acção do cônsul português. Saíram na quinta-feira e permanecem, desde então, na residência do cônsul.
Entretanto, a queixosa declarou formalmente às autoridades que os dois atletas portugueses não têm qualquer ligação ao caso.
A lei do Equador prevê um prazo de 15 dias para que as investigações prossigam ou sejam arquivadas - prazo que deverá terminar no início da próxima semana.
in Expresso.pt

Ai que nos dá um... Fannick



Tiago Pires foi afastado da etapa do circuito mundial, em Bell's, Austrália, num heat de nervos contra o grande Mick... Fannick!
Quem o diz é a edição de hoje do DN que apelida o surfista australiano de "Fannick".
É raro a imprensa nacional dedicar algum espaço ao surf, mesmo sendo um desporto que cada vez reune mais portugueses e mesmo havendo um único português a correr a primeira liga do Tour mundial. Por isso, quando tal acontece todos nos rejubilamos.
Agora, seria talvez boa ideia ter um bocadinho mais de informação (ou até atenção) quando abordam este tema. Até porque o senhor não é um surfistazeco qualquer e até já tem o título de campeão mundial no seu cv.
Mas, pronto, também não podemos cuspir no prato. Valeu a intenção e as risadas que o sobrenome "Fannick" causou nos surfistas portugueses que leram o referido artigo.

13 April 2009

Fanatismo… q.b.


"Não há ninguém mais escravo do que um fanático, uma pessoa para quem um impulso, um valor, assumiu única importância sobre todos os outros"
Milton R. Sapirstein, filosofo norte-americano


"Não há lugar na mente de um fanático onde possa entrar a razão"
Napoleão Bonaparte, general francês


"Um fanático é um homem que conscientemente compensa com exagero uma dúvida secreta"
Aldous Huxley, autor britânico

Sei que esta não é uma maneira comum de iniciar uma crónica numa revista de surf… mas, é caso para dizer, não sejamos fanáticos sobre esta questão.
Recentemente disseram-me uma frase que em outros momentos da minha vida já tinha ouvido: “O surf é a coisa mais importante da minha vida”. Ponto.
Já tinha ouvido, mas não deixou de pairar por algum tempo na minha cabeça. «A» coisa e não «uma» das coisas. Aqui está toda a diferença. O uso de um artigo definido, ao invés do emprego de um artigo indefinido sustentam toda a fina linha entre ser um fã e ser um fanático.
Confesso aqui e agora que O SURF É UMA DAS COISAS MAIS IMPORTANTES DA MINHA VIDA. Sim, tenho outras que também me dão prazer. Certo que é que são prazeres diferentes, de intensidades singulares, mas que me complementam como pessoa, como surfista. Usufruo de dimensões diferentes de cada um deles, mas todos juntos tornam a vida mágica.
Não penso que faz de mim uma surfista diferente não fazer do surf “a” coisa mais importante da minha vida. É certamente “uma” das coisas que mais me preenche a vida, mas não posso deixar de dar um espacinho a outras como a música, o amor, a família, os amigos, a escrita, as viagens, e, veja-se só, até o trabalho.
E passo a demonstrar a minha teoria: porque quando apanho uma onda soa-me uma autêntica banda sonora na cabeça e não há nada mais delicioso do que estar dentro de água… a cantar; porque aquela onda especial torna-se melhor ainda se pudermos partilhá-la com o amor da nossa vida e com os nossos melhores amigos; porque a minha família é a minha maior fã (não fanática, note-se) e teve orgulho até quando fiz figuras tristes num campeonato regional de surf; porque consigo expressar pela escrita tudo o que me vai na cabeça e na alma sobre surf; porque tenho conhecido o mundo à boleia do surf; e, por fim, porque tenho um trabalho que gosto e me permite matar o vício do surf.
Poderão dizer que, posto isto, afinal, o surf é “a” coisa mais importante da minha vida. Mas volto a insistir que é apenas “uma” das muitas, e é por isso que sou uma fã, incondicional, certo, mas uma fã e não uma fanática.
O surf não teria a mesma importância para um surfista se não levasse a nossa vida a ser mais rica nos mais variados aspectos. Tristes e solitários aqueles os quais as suas vidas se resumam a um único prazer.
No final deste artigo resta-me apenas desejar que pense como Voltaire: “Não concordo com uma palavra do que dizes, mas defenderei até ao último instante o teu direito de dizê-la.

Limando as arestas

Silvana já andava a prometer e o sino foi o último incentivo que precisava
(photo: ASP/ CI/ SCHOLTZ via GETTY IMAGES)

Aos 24 anos Silvana Lima realizou um sonho... vencer a etapa do circuito mundial de surf em Bell's Beach, na Austrália.
Desde o tempo em que tentava chegar ao Tour, sem qualquer patrocínio porque, afinal, não era um rosto bonito, a surfista brasileira sempre sonhará em alcançar vitórias. Agora, entre as melhores do mundo, Silvana Lima mostrou porque é que nunca se deve desistir de um sonho.
Desde o final do ano passado que Silvana andava a ameaçar vir a fazer estragos. Na primeira etapa deste ano esteve quase lá... mas foi Bell's que lhe fez ecoar nos ouvidos o som da vitória.
Numa final em muito igual à da primeira etapa do circuito deste ano, Silvana Lima foi novamente a jogo com Stephanie Gilmore que, para além de ser 2x campeã mundial, estava também a defender as duas vitórias que já havia arrebatado naquela mítica prova australiana.
Mas bastou um arranque fortísimo no heat final - Silvana conseguiu logo um 9.17 e um 8.17 - para a brasileira selar aquela que foi a sua primeira vitória desde a entrada para o Tour.
"Isto é simplesmente incrível!", disse no final Silvana, "é o primeiro evento do tour mundial que ganho e conseguir fazê-lo aqui e ser a primeira brasileira a tocar o "sino" é simplesmente um sonho tornado realizadade".
"A Stephanie é óptima surfista em quaisquer condições, por isso, sabia que tinha que apanhar boas ondas desde o início. Depois, estava também a sentir-me muito bem com a prancha que estava a usar", conta Silvana Lima.
Para a surfista brasileira, o título mundial continua a ser o objectivo: "O ano passado foi um ano muito bom para mim, contudo, não consegui ganhar nenhuma prova. Agora que consegui fazê-lo, a minha confiança está alta e estou ansiosa que chegue o próximo evento".
As melhores surfistas do mundo podem agora apanhar o final da etapa masculina a continuar em Bell's, porém, o rumo do Tour já está traçado para a Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Com Silvana a correr em casa e a torcida brasileira ao rubro, esta prova vai dar que falar!

Lolipop... um doce vindo das Caraíbas!

video

Este é o novo projecto do meu amigo François Georges. Surfista e maníaco da camera decidiu dar um lamiré do seu pequeno pedaço do paraíso.

Senhores e senoras... as Caraíbas no seu melhor!

13 March 2009

Parko mostra o melhor!

What to say...
(photo: ASP/CI/SCHOLTZ via GETTY IMAGES)


Desde a vitória no ano passado contra Tiago Pires que Joel Parkinson caiu nos desamores dos portugueses e quando o mesmo voltou a vencer o português na primeira etapa de 2009 do WCT a arreliação foi geral.


Porém, Joel Parkinson, goste-se ou não, estava a surfar na sua onda e tem um surf invejável. Resultado: Venceu o Quiksilver Pro com uma espectacularidade que ninguém, nem mesmo o português mais anti-Parko, deixou de lhe tirar o chapéu.


O surfista australiano não teve surf suficiente para escapar ao round 2 da competição, mas a partir daí foi imbatível.


Quando chegou à semi-final, e com o mar a tomar grandes proporções devido à tempestade que se aproximava, todas as apostas estavam em Mick Fanning que, até então, mostrava estar muito concentrado e confiante. Mas foi Joel Parkinson que se encontrou mais depressa com as ondas e começou a facturar como um louco, chegando mesmo a atingir a pontuação máxima de uma onda: 10.


Escolhido o primeiro finalista, também a segunda semi-final foi uma caixa de surpresas. Mais uma vez, as apostas em Taj Burrow sairam logradas. No heat contra o brasileiro Adriano de Sousa, Taj estava também a jogar em casa e toda a gente sabe que os brasileiros sempre se dão melhor em mar mais pequeno... Mineirinho destruiu o mito, ao vencer o australiano com 14.84 (em 20 pontos de total possíveis) contra uns meros 5.34.


O surfista brasileiro teve uma prestação exemplar em toda a competição e as esperanças começavam a surgir sobre a aposta de, pela primeira vez, a bandeira do Brasil chegar ao pódio na primeira posição.


Parko não deu hipóteses. Depois de tanto esforço não estava preparado para deitar tudo a perder. E não o fez.


Joel Parkinson já estava em harmonia com o mar e destruiu literalmente as ondas, conseguindo, mais uma vez, um 10 perfeito e arrumando com o brasileiro que, apesar disso, conseguiu a sua primeira final desde que entrou para o Dream Tour.


Os melhores surfistas do mundo deixam agora Snapper e Kirra para estarem, a partir de dia 7 de Abril, na lendária Bell's Beach. Os dados estão lançados!




CURRENT ASP WORLD TOUR TOP 5:


1. Joel Parkinson (AUS) 1200 points


2. Adriano de Souza (BRA) 1032 points


3. Taj Burrow (AUS) 876 points


3. Mick Fanning (AUS) 876 points


5. Bede Durbidge (AUS) 732 points


5. C.J. Hobgood (USA) 732 points


5. Adrian Buchan (AUS)732 points


5. Damien Hobgood (USA) 732 points

E vão quatro de seguida!

Stephanie estava a surfar em casa... mas mesmo que não fosse, as suas manobras não deixam dúvidas
(photo: ASP)
A 2x campeã do mundo, Stephanie Gilmore, arrancou fenomenalmente o ano novo de competição com a vitória da primeira etapa do WCT, em Snapper Rocks.
Steph dominou a final contra a havaiana Melanie Bartels começando logo por solidificar o resultado com uma pontuação de 9.57 em 10 pontos possíveis. A sua estratégia era clara: "É importante ter um bom arranque na bateria e começar a liderar desde o início", confessou no final a surfista.
Com este resultado, Gilmore soma agora 4 vitórias consecutivas em eventos das ASP (a australiana venceu de seguida as três últimas etapas do tour em 2008), e destaca-se desde cedo no ranking deste ano.
"Estamos a começar um novo ano e conseguir esta vitória na nossa terra, em frente de toda esta gente, é incrivel", disse ainda.
Numa etapa em que as rookies brilharam, foi uma veterana que ultrapassou tudo e todos para chegar ao confronto final com Stephenie Gilmore. Melanie Bartels mostrou que ainda falta muita experiência às mais novas para chegar ao patamar seguinte e aceitou o desafio contra a australiana com um sorriso nos lábios e muita garra na prancha.
"Estou extasiada!", começou por dizer Bartels. "Surfar contra a Steph é sempre um desafio, porque sei que ela é muito boa. Sabia que tinha que alcançar grandes pontuações, mas as ondas teimaram a não aparecer para mim. Ela surfou incrivelmente bem e eu fiquei contente por poder surfar Snapper sem mais ninguém na água".
Com o início da próxima etapa do circuito mundial de surf feminino marcado para dia 8 de Abril, em Bell's Beach, o ranking já ganhou forma:
1 – Stephanie Gilmore (AUS) 1200
2 – Melanie Bartels (HAW) 972
3 – Paige Hareb (NZL) 756
3 – Coco Ho (HAW) 756
5 – Sofia Mulanovich (PER) 552
5 – Rebecca Woods (AUS) 552
5 – Chelsea Hedges (AUS) 552
5 – Bruna Schmitz (BRA) 552
9 – Silvana Lima (BRA) 360
9 – Amee Donohoe (AUS) 360
9 – Samantha Cornish (AUS) 360
9 – Jacqueline Silva (BRA) 360
9 – Sally Fitzgibbons (AUS) 360
9 – Rosanne Hodge (ZAF) 360
9 – Alana Blanchard (HAW) 360
9 – Megan Abubo (HAW) 360
17 – Jessi Miley-Dyer (AUS) 180
18 – Layne Beachley (AUS) 0

27 February 2009

Os melhores de 2008

Wayne Rabbit despediu-se ontem à noite do surf profissional
(photo: asp/covered images)
Os melhores surfistas do mundo reuniram-se ontem à noite para mais uma noite de coroação da ASP.
Conhecido como os óscares do surf, a noite mais glamorosa do ano serviu para reconhecer os atletas que melhores resultados apresentaram no decorrer no ano passado, entre eles, Kelly Slater e Stephanie Gilmore, os dois campeões mundiais de 2008.
Segue a lista dos galardoados:
2008 ASP World Champion: Kelly Slater (USA)
2008 ASP Women’s World Champion: Stephanie Gilmore (AUS)
2008 ASP World Tour Runner-Up: Bede Durbidge (AUS)
2008 ASP Women’s World Tour Runner-Up: Silvana Lima (BRA)
2008 ASP World Tour Rookie of the Year: Dane Reynolds (USA)
2008 ASP Women’s World Tour Rookie of the Year: Nicola Atherton (AUS)
2008 ASP World Tour ‘Most Improved’: Adrian Buchan (AUS) and Adriano de Souza (BRA)
2008 ASP Women’s World Tour ‘Most Improved’: Melanie Bartels (HAW)
2008 ASP World Longboard Champion: Bonga Perkins (HAW)
2008 ASP Women’s World Longboard Champion: Joy Monahan (HAW)
2008 ASP World Junior Champion: Kai Barger (HAW)
2008 ASP Women’s World Junior Champion: Pauline Ado (FRA)
2008 ASP WQS No. 1: Nathaniel Curran (USA)
2008 ASP WQS Women’s No. 1: Sally Fitzgibbons (AUS)
Peter Whittaker Award: Taylor Knox (USA)
ASP Service to the Sport: Alexander Fontes (BRA)

23 February 2009

Tiago na primeira pessoa

Tiago Pires está prestes a iniciar mais um ano no tour mundial, depois de um 2008 cheio de altos e baixos.
À ASP, Saca falou na primeira pessoa:
"Este inverno foi dividido em dois! Nas primeiras duas ou três semanas, fiz férias longe do oceano. Fui a Oslo e a Moscovo!
Como não podia surfar tornou-se um pouco frustante ficar em casa, a ver ondas perfeitas a partirem.
Já a segunda parte foi preenchida com um programa de recuperação muito intenso, com muita fisioterapia e ginásio. Estou inserido num grupo de trabalho de treino lliderado pelo selecionador português de rugby e o resultado tem sido espantoso. Estou a sentir-me muito motivado no sentido de melhorar o meu estado fisico.
Para lá disso, passei algum tempo em casa com a minha família e amigos... foi estranho passar cerca de dois meses em casa. Senti-me como uma pessoa normal!
Desde que tive que desistir do Pipemaster no ano passado [Tiago lesionou-se numa sessão de free surf pouco antes do início da última etapa do tou] que devo ter surfado somente uma semana, mas acho que agora estou quase 100% recuperado. Ainda sinto alguma dor no pescoço e costas, mas é apenas uma dor residual, nada que me assuste. Alguns médicos chegaram a dizer-me que que algumas lesões no pescoço podem durar seis meses por isso não posso estar à espera de milagres.
Para já, estou em Sydney, na Austrália, a passar algum tempo com o meu shaper Chilli. Temos estado a trabalhar no meu novo quiver para o primeiro evento na Gold Coast. As ondas aqui são muito rápidas por isso tenho que garantir que estou a levar as armas indicadas.
Vou estar no Superbank apartir do dia 23, cinco dias antes do início do período de espera. Com toda a experiência que ganhei no ano passado, todos os momentos diferentes pelos quais passei em 2008, desde as grandes dúvidas, como os heats espectaculares no Tahiti, Fiji ou a semi-final na Indonésia, sinto-me muito mais maduro.
Acho que vou conseguir largar a pressão e mostrar todo o meu potencial. Contudo, estou um pouco ansioso quanto ao primeiro evento. Sei que não vou estar 100% preparado para ele, mas estou com muita vontade de competir. Vamos ver como vou conseguir portar.me em 2009. Mas tenho a certeza que já não vou sentir o mesmo borbulhar no estômago que se sente quando se é rookie!
Acontece o que acontecer, posso dizer que a Europa está a testemunhar um grande momento da história do surf competitivo com sete surfistas no tour mundial. Todos são excelentes surfistas com capacidade de fazerem mossa. Por isso estou muito curioso para ver o que vai acontecer.
Temos power surfers como o Marlon e o Michel Bourez, competidores muito inteligentes, como o Tim Boal e o Aritz Aranburu e, claro, o Micky Picon e o Jeremy Flores que já deram provas de estar entre os melhores".

Top 17 feminino preparadas para acção

Stephanie vai estar este ano em defesa do seu título mundial e promete dar espectáculo
(photo: ASP/Covered Images)

À beira do início da primeira etapa do circuito mundial, o Roxy Pro Gold Coast, em Coolangatta, na Austrália, as surfistas do top 17 estão prontas para entrar em acção.
Para além da 2x campeã mundial Stephenie Gilmore e da peruana Sofia Mulaniovich, outras caras surgem este ano para dar provas de que uma nova vaga de surfistas se prepara para tomar de assalto o tour.
Sally Fitzgibbons é uma delas. A jovem de 18 anos, que conquistou o WQS no ano passado, fazendo história ao conquistar a sua posição no WCT deste ano logo a meio de 2008, será uma das atletas que promete fazer jorrar tinta.
"Estou muito excitada por estar a competir na minha primeira prova como surfista profissional a full-time", conta Sally, afiançando que conta com a sua experiência como wildcard em anos anteriores e por estar a surfar em Snapper Rocks, uma das suas ondas favoritas.
O primeiro heat será logo uma prova de fogo, ao ter que defrontar Silvana Lima e Megan Adubo.
Fique a conhecer as baterias desta primeira paragem do tour mundial feminino:
Heat 1: Samantha Cornish (AUS), Jessi Miley-Dyer (AUS), Paige Hareb (NZL)
Heat 2: Amee Donohoe (AUS), Jacqueline Silva (BRA), Alana Blanchard (HAW)
Heat 3: Stephanie Gilmore (AUS), Rosanne Hodge (ZAF), TBA
Heat 4: Silvana Lima (BRA), Sally Fitzgibbons (AUS), Megan Abubo (HAW)
Heat 5: Sofia Mulanovich (PER), Chelsea Hedges (AUS), Coco Ho (HAW)
Heat 6: Melanie Bartels (HAW), Rebecca Woods (AUS), Bruna Schmitz (BRA)

15 February 2009

Surf com F(eminino) grande

(photo: Marlene)


(Comecei recentemente um conjunto de crónicas na revista Free Surf que passarei a reproduzir neste blog)
Stephanie Gilmore é um homem a surfar. Não hajam dúvidas. Não é uma comparação que me dê gosto fazer, essa do homem vs mulher, mas a verdade é que os homens, na sua maioria, têm um estilo mais bonito que as mulheres, ao conseguirem unir a força das manobras à suavidade de acompanhar o movimento das ondas.
Claro que entramos no campo da competição internacional e tudo muda.
Gilmore é um homem a surfar. O seu surf é tão bonito e complexo que envergonha muitos dos surfistas que por aí andam.
Stephanie conseguiu recentemente o seu segundo título mundial numa justa vitória no Havai. A luta estava renhida com a brasileira Silvana Lima. O meu chapéu a Silvana, que durante toda a sua carreira como pro-surfer teve que dar o litro para conquistar o seu espaço entre as meninas que, para além de um surf animal, sempre tiveram uma carinha laroca a acompanhar. Já Silvana, não… resta-lhe o profissionalismo e o talento, com os quais este ano quase, quase, destronou a imparável australiana.
A Happy Gilmore, como lhe chamam por ser dona de um sempre presente e electrizante sorriso, tem uma história que desde cedo previa este desfecho (ou será apenas o começo?). Começou por se pôr em pé em cima de uma prancha de bodyboard com apenas 10 anos e desde aí que tem vindo a superar-se.
Claro que ser da Austrália, onde o surf é desporto nacional, ajuda sempre. Partilhar as ondas com Mick Fanning, também. Mas o talento é também condição sine qua non.
Em 2005, com apenas 17 anos, a surfista fez o alerta à navegação, ganhando como wildcard o seu primeiro evento do tour mundial, o Roxy Pro, na Gold Coast. Está bem que estava em casa, mas o seu surf deixou todos de boca aberta e os oráculos começaram a espalhar a palavra de que estávamos diante de uma futura campeã mundial. Bastou dois anos (o primeiro a fazer o circuito de qualificação) para a profecia se concretizar. E mais um para agora se consolidar.
Dois anos no Tour, dois títulos mundiais. E agora? Claro que cada ano competitivo pode ser uma autêntica surpresa, mas a verdade é que Stephanie está no topo da sua carreira, o seu surf parece continuar em permanente evolução e vontade não lhe faltará para, quem sabe, chegar aos sete títulos alcançados por Layne Beachley (que este ano anunciou a sua retirada da competição, escolhendo apenas fazer algumas provas... just for the fun of it!), mas a concorrência nos dias que correm está cada vez mais forte.
Já mencionei a “brasileira-dinamite”, Silvana Lima, que conseguiu acabar o ano na segunda posição do ranking, e a peruana Sofia Mulanovich também sempre deu provas de que não gosta de perder.
Mas outros nomes se afiguram como potenciais importunadoras da bi-campeã mundial, entre as quais a bombinha havaiana Coco Ho. Porém, o mundo do surf feminino tremerá quando Carissa Moore fizer o seu debut no circuito. E estaremos todos cá para ver e pasmar.
Até lá, Stephanie Gilmore vai continuar a surfar como um homem e a marcar toda uma geração de surfistas que crescerão e evoluirão com o seu talento. Foi assim com Margo Oberg, com Wendy Botha, com Lisa Anderson ou com Layne Beachley, só para mencionar algumas.

NOTA: Começo nesta edição uma série de crónicas que, embora não passem de pensamentos altos, espero que despertem algum interesse ou até comentários. Comecei com o surf feminino, porque, afinal, sou surfista e gosto sempre de ver algum espaço dedicado às miúdas. Mas não me vou cingir a este tema. Outros assuntos se impõem. Agradeço desde já à equipa da Free Surf o convite e a oportunidade de conseguir partilhar com a tribo alguns dos pensamentos e ideias que me povoam a mente. Aloha!

03 February 2009

Portugal na Transworld


Todos sabemos o que temos no nosso quintal, mas não podemos deixar de ter orgulho quando nos deparamos com reportagens como a que saiu na Transworld e sob um título tão sugestivo: "Perfeição em Portugal".
A revista acompanhou o Marlon e o Aritz em algumas ondas fabulosas portuguesas e deixou de boca aberta e a aguar meio planeta.
Sim, vem mais crowd... mas, bolas, crowd já nós temos e não custa nada puxarmos dos galões!

30 January 2009

Rabbit abandona a presidência da ASP

Rabbit mostrando toda a sua classe
(photo: Andrew Buckley)

Wayne "Rabbit" Bartholomew é um nome incontornável da história do surf e o desenvolvimento da modalidade deve em tudo ao seu trabalho incansável.

Depois de 10 anos à frente da ASP, Rabbit, actualmente com 54 anos, decidiu passar o testemunho e fechar o capítulo da sua vida no próximo mês de Março.

"Todos os papéis que desempenhei e especialmente o tempo que passei com presidente da ASP foram uma experiência muito enriquecedora e gratificante", diz agora Wayne, acresentando considerar "um privilégio e uma honra a posição de grande responsabilidade que desempenhei e ter trabalhado ao lado de um grupo de pessoas cheias de talento e dedicação".

Rabbit despede-se agora da gestão do surf profissional "confiante quanto ao futuro do desporto. Obrigado por me terem permitido servir o desporto na qualidade de presidente da ASP".

A organização vai agora ponderar as qualidades de um presidente e escolher o homem (e, porque não, qui ça, mulher!) para encabeçar o futuro da ASP Internacional.

Ui, cá medo!

É um dos maiores pesadelos de qualquer surfista, portanto, toda a gente treme ao ver todos que metam tubarões à mistura.
Este não resistiu à camera e toca a fazer piruetas como se não houvesse amanhã.
Enquanto for assim, tudo bem. Pior é quando eles ficam com fome de tanto esforço e decidem comer um snackzinho só para recompor...

15 January 2009

Mavericks: Campeonato pode arrancar este sábado

O Mavericks Surf Contest poderá arrancar este fim-de-semana em Half Moon Bay, na Califórnia.
O prestigiado campeonato de ondas grandes, que reúne 24 surfistas de renome, poderá contar com uma ondulação favorável à sua realização, já que as ondas poderão chegar aos 10 metros de altura.

Os surfistas concorrem a um dos maiores prize-money de sempre: 150 mil dólares.