24 April 2009

Lacomare comme tudo!

Lacomare não dá hipóteses no Guincho
(photo: ASPEurope)

Marc Lacomare, francês de 18, foi o vencedor do Estoril B! Pro Junior, prova que decorreu no Guincho, em ondas que rondaram o metro, metro e meio.
Lacomare venceu Joachim Guichard com uma actuação muito confiante e cheia de táctica: "Vencer esta etapa foi um passo óptimo para mim. As ondas estavam muito difíceis por isso estou muito contente de ter conseguido fazer uma onda de 8.17", conta o surfista que paece andar numa boa maré de resultados.

E vão duas...


Joel está on fire e promete continuar a dar luta
(photo: ASP)

Joel Parkinson voltou a sentir o sabor da vitória este ano ao vencer o prestigiado Rip Curl pro Bells Beach, numa final contra o rookie australiano Adam Robertson.

Parko tem aparecido em grande forma nas etapas do Tour mundial e os dois metros de onda que partiram em Bells pareceu ser a fórmula mágica para arrecadar mais uma prova.

"Vencer em casa é provavelmente a vitória mais especial que podemos ter e este é o troféu mais especial que podemos conquistar", contou no final o surfista australiano, que já anteriormente havia tocado o sino mais famoso do mundo do surf.

"As pessoas podem deixar-se levar por toda a questão da corrida pelo título, mas eu apenas queria começar o ano com bons resultados. Mas nunca pensei conseguir um início destes. Neste momento existem muitos surfistas furiosos atrás de mim e vou começar muito forte nos próximos eventos. Vou aparecer no próximo evento com o mesmo plano de jogo que tenho tido e levar as coisas step by step", garante Joel Parkinson.

A próxima paragem do Tour mundial é o Billabong Pro Teahupoo, de 9 a 20 de Maio.

15 April 2009

Presos no Equador

Dois atletas da selecção nacional estão detidos há 10 dias e impedidos de regressar a Portugal. Os jovens, de 14 anos e 17 anos, foram implicados na investigação a um caso de violação. Mas a vítima já os ilibou.
Segundo apurou o Expresso junto de uma fonte diplomática, "o caso está a ser acompanhado desde a primeira hora ao mais alto nível e o contacto com as famílias tem sido permanente".
Os pais dos dois rapazes encontram-se já no Equador mas ninguém sabe ao certo quando poderão regressar a Lisboa. Neste momento, os jovens estão sem os passaportes - confiscados pelas autoridades - e a aguardar o desenrolar do processo.
Os surfistas portugueses foram detidos na noite de 5 para 6 de Abril. um domingo, poucas horas depois da final do Campeonato Mundial de juniores, que decorreu em Salinas, no Equador.
A comitiva portuguesa foi surpreendida por elementos da Polícia, armados com metralhadoras, e os dois rapazes foram detidos e levados para a esquadra. Na origem da detenção estava a queixa de uma jovem inglesa, também atleta, que alegava ter sido violada.
Os dois rapazes passaram os quatro dias seguintes numa cela, mas separados do resto dos reclusos devido à acção do cônsul português. Saíram na quinta-feira e permanecem, desde então, na residência do cônsul.
Entretanto, a queixosa declarou formalmente às autoridades que os dois atletas portugueses não têm qualquer ligação ao caso.
A lei do Equador prevê um prazo de 15 dias para que as investigações prossigam ou sejam arquivadas - prazo que deverá terminar no início da próxima semana.
in Expresso.pt

Ai que nos dá um... Fannick



Tiago Pires foi afastado da etapa do circuito mundial, em Bell's, Austrália, num heat de nervos contra o grande Mick... Fannick!
Quem o diz é a edição de hoje do DN que apelida o surfista australiano de "Fannick".
É raro a imprensa nacional dedicar algum espaço ao surf, mesmo sendo um desporto que cada vez reune mais portugueses e mesmo havendo um único português a correr a primeira liga do Tour mundial. Por isso, quando tal acontece todos nos rejubilamos.
Agora, seria talvez boa ideia ter um bocadinho mais de informação (ou até atenção) quando abordam este tema. Até porque o senhor não é um surfistazeco qualquer e até já tem o título de campeão mundial no seu cv.
Mas, pronto, também não podemos cuspir no prato. Valeu a intenção e as risadas que o sobrenome "Fannick" causou nos surfistas portugueses que leram o referido artigo.

13 April 2009

Fanatismo… q.b.


"Não há ninguém mais escravo do que um fanático, uma pessoa para quem um impulso, um valor, assumiu única importância sobre todos os outros"
Milton R. Sapirstein, filosofo norte-americano


"Não há lugar na mente de um fanático onde possa entrar a razão"
Napoleão Bonaparte, general francês


"Um fanático é um homem que conscientemente compensa com exagero uma dúvida secreta"
Aldous Huxley, autor britânico

Sei que esta não é uma maneira comum de iniciar uma crónica numa revista de surf… mas, é caso para dizer, não sejamos fanáticos sobre esta questão.
Recentemente disseram-me uma frase que em outros momentos da minha vida já tinha ouvido: “O surf é a coisa mais importante da minha vida”. Ponto.
Já tinha ouvido, mas não deixou de pairar por algum tempo na minha cabeça. «A» coisa e não «uma» das coisas. Aqui está toda a diferença. O uso de um artigo definido, ao invés do emprego de um artigo indefinido sustentam toda a fina linha entre ser um fã e ser um fanático.
Confesso aqui e agora que O SURF É UMA DAS COISAS MAIS IMPORTANTES DA MINHA VIDA. Sim, tenho outras que também me dão prazer. Certo que é que são prazeres diferentes, de intensidades singulares, mas que me complementam como pessoa, como surfista. Usufruo de dimensões diferentes de cada um deles, mas todos juntos tornam a vida mágica.
Não penso que faz de mim uma surfista diferente não fazer do surf “a” coisa mais importante da minha vida. É certamente “uma” das coisas que mais me preenche a vida, mas não posso deixar de dar um espacinho a outras como a música, o amor, a família, os amigos, a escrita, as viagens, e, veja-se só, até o trabalho.
E passo a demonstrar a minha teoria: porque quando apanho uma onda soa-me uma autêntica banda sonora na cabeça e não há nada mais delicioso do que estar dentro de água… a cantar; porque aquela onda especial torna-se melhor ainda se pudermos partilhá-la com o amor da nossa vida e com os nossos melhores amigos; porque a minha família é a minha maior fã (não fanática, note-se) e teve orgulho até quando fiz figuras tristes num campeonato regional de surf; porque consigo expressar pela escrita tudo o que me vai na cabeça e na alma sobre surf; porque tenho conhecido o mundo à boleia do surf; e, por fim, porque tenho um trabalho que gosto e me permite matar o vício do surf.
Poderão dizer que, posto isto, afinal, o surf é “a” coisa mais importante da minha vida. Mas volto a insistir que é apenas “uma” das muitas, e é por isso que sou uma fã, incondicional, certo, mas uma fã e não uma fanática.
O surf não teria a mesma importância para um surfista se não levasse a nossa vida a ser mais rica nos mais variados aspectos. Tristes e solitários aqueles os quais as suas vidas se resumam a um único prazer.
No final deste artigo resta-me apenas desejar que pense como Voltaire: “Não concordo com uma palavra do que dizes, mas defenderei até ao último instante o teu direito de dizê-la.

Limando as arestas

Silvana já andava a prometer e o sino foi o último incentivo que precisava
(photo: ASP/ CI/ SCHOLTZ via GETTY IMAGES)

Aos 24 anos Silvana Lima realizou um sonho... vencer a etapa do circuito mundial de surf em Bell's Beach, na Austrália.
Desde o tempo em que tentava chegar ao Tour, sem qualquer patrocínio porque, afinal, não era um rosto bonito, a surfista brasileira sempre sonhará em alcançar vitórias. Agora, entre as melhores do mundo, Silvana Lima mostrou porque é que nunca se deve desistir de um sonho.
Desde o final do ano passado que Silvana andava a ameaçar vir a fazer estragos. Na primeira etapa deste ano esteve quase lá... mas foi Bell's que lhe fez ecoar nos ouvidos o som da vitória.
Numa final em muito igual à da primeira etapa do circuito deste ano, Silvana Lima foi novamente a jogo com Stephanie Gilmore que, para além de ser 2x campeã mundial, estava também a defender as duas vitórias que já havia arrebatado naquela mítica prova australiana.
Mas bastou um arranque fortísimo no heat final - Silvana conseguiu logo um 9.17 e um 8.17 - para a brasileira selar aquela que foi a sua primeira vitória desde a entrada para o Tour.
"Isto é simplesmente incrível!", disse no final Silvana, "é o primeiro evento do tour mundial que ganho e conseguir fazê-lo aqui e ser a primeira brasileira a tocar o "sino" é simplesmente um sonho tornado realizadade".
"A Stephanie é óptima surfista em quaisquer condições, por isso, sabia que tinha que apanhar boas ondas desde o início. Depois, estava também a sentir-me muito bem com a prancha que estava a usar", conta Silvana Lima.
Para a surfista brasileira, o título mundial continua a ser o objectivo: "O ano passado foi um ano muito bom para mim, contudo, não consegui ganhar nenhuma prova. Agora que consegui fazê-lo, a minha confiança está alta e estou ansiosa que chegue o próximo evento".
As melhores surfistas do mundo podem agora apanhar o final da etapa masculina a continuar em Bell's, porém, o rumo do Tour já está traçado para a Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Com Silvana a correr em casa e a torcida brasileira ao rubro, esta prova vai dar que falar!

Lolipop... um doce vindo das Caraíbas!

video

Este é o novo projecto do meu amigo François Georges. Surfista e maníaco da camera decidiu dar um lamiré do seu pequeno pedaço do paraíso.

Senhores e senoras... as Caraíbas no seu melhor!