29 July 2010

Vais viajar? Toca a pagar!

(Photo: Rusty.com)

O verão está aí e começamos a pensar que uma viagem para um destino de ondas a esta altura do campeonato soa a mel!

Mas não bastasse a crise instalada e a nossa habitual contagem de tostões, bem como as pesquisas incessantes pelos sites de viagens low cost, um problema recorrente bate-nos à porta: a cobrança de pranchas pelas companhias aéreas.

De acordo com uma pesquisa feita pelo site Surfline, existem pelos menos quatro companhias surfer friendly e que não cobram o transporte de prancha, desde que incluído no limite de bagagem (2 peças) por passageiro: a Air New Zealand, a Qantas, a Singapore Airlines, a South African Airlines e a Virgin Atlantic.

Boa! Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e Indonésia estão garantidas, embora valha sempre a pena consultar o site de cada uma delas antes de qualquer marcação, uma vez que, como todos sabemos, estas coisas podem levar sempre uma reviravolta.

Pensando nas restantes companhias mais utilizadas, nomeadamente por quem sai de Portugal/Europa, a Ibéria (uma das mais caras), a Lufthansa (se a prancha for extremamente grande podem mesmo impedir), a Thai, a United, a Varig, a Continental, entre outras, vão-nos fazer abrir os cordões à bolsa… e não é pouco! Muitas delas chegam mesmo a cobrar a ida e a volta.

Mega No-No continua a ser a British Airlines, que, de acordo com a Surfline, decidiu recusar de todo o transporte de pranchas de surf. Esta é uma informação que valerá a pena confirmar quando estivermos a pensar marcar voo, uma vez que ouvi recentemente que a companhia aérea estaria a pensar recuar com esta medida. É que o tempo do chamado “surfista de pé descalço” já era e hoje em dia os surfistas tornaram-se num público assíduo do espaço aéreo.

27 July 2010

Padang Padang reúne melhores tube riders

(photo: Rip Curl Cup)


Quem conhece Bali certamente já passou pelas escadas sinuosas, metidas no meio de uma gruta, que levam à lindíssima praia de Padang Padang. Ínfimo pela sua esquerda mortífera, palco de inúmeras e lendárias competições de surf, este spot é um dos mais conhecidos da ilha balinesa e prepara-se agora para receber novamente um invitational organizado pela Rip Curl: o Rip Curl Cup Padang Padang 2010.
Com um período de espera que iniciou no passado domingo, dia 25, e que se estende até 29 de Agosto, este evento reúne alguns dos melhores locais, como é o caso de Rizal Tanjung e Made Lana, e alguns dos melhores tube riders internacionais, oriundos do Hawaii ou da Austrália, como Mikala Jones ou Jamie O’Brien, entre outros nomes de peso.
Com uma das melhores ondas do mundo e alguns dos melhores e promissores surfistas, num dos melhores enviroments de toda a Indonésia, o Rip Curl Cup promete dar um grande espectáculo.
Podes seguir o evento aqui: http://live.ripcurl.com/index.php?padang10

26 July 2010

Kelly comenta novas regras do Tour


O 9x campeão mundial de surf vê com bons olhos o novo formato que a ASP irá adoptar já a seguir da próxima etapa do mundial no Tahiti.
Slater, em entrevista à Surfline, diz ter sempre acreditado serem demais o número de atletas a integrar o Tour. "O melhor surf vê-se sempre só a partir dos quartos-de-final", afrima, acrescentando que, "quando estamos no segundo round toda a gente está ansiosa que este acabe e que continuemos com a competição"
Lembramos que, após a próxima etapa do campeonato mundial, o Top será reduzido de 45 para os 32 melhores surfistas no ranking.

19 July 2010

Jordy lidera tudo

Jordy arrecadou tudo em JBay: o primeiro lugar na etapa e a liderança no ranking
(photo: ASP)

Era uma final improvável, mas deu que falar. Jordy Smith saiu vencedor da etapa deste ano em Jeffreys Bay, a sua hometown, em que lutou taco-a-taco com um muito inspirado e fluido Adam Melling.
A etapa de JBay correu como um relampago. As boas condições permitiram arrancar desde logo com toda a prova, sem passar pelos habituais dias de espera. Não houve um momento morto e as surpresas foram muitos. Entre elas esteva um imparável wild card de seu nome Sean Holmes que literalmente limpou Kelly Slater e Andy Irons.
Mas vamos ao vencedor. Jordy teve em JBay a sua primeira vitória numa etapa do Mundial e subiu vertiginosamente para a primeira posição do ranking, ultrapassando Taj Burrow.
E falando em Taj Burrow, ele foi a parede em que o português Tiago Pires esbarrou. O australiano foi de tal forma mortífero que, no heat contra o Saca, conseguiu o melhor score de total a prova.
Apesar desse contratempo nos oitavos, Tiago ainda conseguiu conquistar um confortável 9º lugar, que, a juntar a outros resultados, permitiram ao surfista português estar agora na 15ª posição da tabela classificativa.
Tendo em conta que, depois da próxima etapa no Tahiti, os surfistas que estão abaixo da 30ª posição deverão cair, basta a Tiago passar mais um heat para assegurar a sua manutenção no Top mundial, sem ter que recorrer às pontuações do WQS.
Este novo formato adoptado este ano pela ASP ainda se apresenta um pouco confuso para o público em geral, e só para o próximo mês poderemos assistir e tirar dúvidas quanto à sua eficácia.
Por ora, uma coisa é certa: esta é uma das últimas preocupações de Jordy Smith.
O Billabong Pro Tahiti vai realizar-se entre 23 de Agosto e 3 de Setembro.

16 July 2010

Mau, mau...

Pronto, sim, têm toda a razão... há prioridades e prioridades e por vezes este blog fica atrás.

Depois de mais algum tempo afastada - duty calls -, vou tentar voltar às lides de escriba deste pequeno espaço dedicado às ondas e ao melhor desporto do mundo: o surf!

Vamos ver como corre... já não prometo nada... mas posso sempre tentar.

Conto convosco e com a vossa infinita paciência para, depois deste lamento pessoal e intransmissivel, voltarem a navegar por estas bandas.

Welcome... again! :-)